Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio,

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Saúde

HSJ: 71 anos de dedicação à saúde

, 22 de outubro de 2021 às 11h15

O Hospital São José é precioso não apenas para a comunidade de Arroio do Meio, mas para toda a região. Em março deste ano, a casa de saúde completou 71 anos dedicados à saúde e à vida da comunidade.

A história do HSJ inicia nas primeiras décadas do século passado. Arroio do Meio se expandiu e, com isso, foi ampliada a necessidade de cuidados com a saúde. Na década de 1930 surgiram várias clínicas, particulares e comunitárias, mas nenhuma persistiu por muito tempo. Os rumos começaram a mudar em 1940 com a fundação da Sociedade Beneficente e de Caridade, que depois daria origem ao Hospital São José. Com Theobaldo Kaffer na presidência e o apoio do monsenhor Jacob Seger, a Sociedade Beneficente e de Caridade foi a responsável pela criação, em 1943, do Hospital Divino Salvador. O atendimento aos pacientes estava a cargo do médico Armando José Gehlen, auxiliado por alguns funcionários. O hospital estava instalado em uma casa adaptada, nas proximidades da hoje loja Oscar Barden. Com o aumento da demanda e a falta de recursos financeiros, já que o hospital era sustentado por doações, o monsenhor Jacob Seger viu no trabalho das irmãs da Congregação Divina Providência a solução para o problema. Atendendo ao pedido do monsenhor, em 3 de março de 1944 a Congregação da Divina Providência inicia seu trabalho em Arroio do Meio, com a chegada da irmã Alina.

Com a missão de auxiliar o Dr. Armando Gehlen e enfermeira Otília Matte nos cuidados aos pacientes e ainda atuar na direção administrativa, a irmã Alina encontra instalações precárias. Em carta enviada à madre superiora ela descreve o que encontrou e, meses depois, chegava ao município a irmã Cecília, para auxiliar na cozinha e na parte doméstica do hospital. O número de doentes aumentava progressivamente e era preciso ampliar o serviço de saúde com a construção de um novo hospital. Diante de tal realidade, o monsenhor Seger, projetando uma solução a longo prazo para a saúde no município, sugeriu que as irmãs da Divina Providência assumissem o hospital com o compromisso de mantê-lo. Cabia à comunidade, através da Mitra, a cedência de uma área de 6.000 m², e a construção da primeira ala do prédio. Em novembro de 1947 foi realizada a primeira reunião da comissão construtora do Hospital São José. Esta era presidida por Waldemar Moesch, tendo como secretário Edgar Jung e Afonso Brod como tesoureiro. O então prefeito Antônio Fornari participava da comissão como presidente honorário. As presenças do monsenhor Jacob Seger e o pastor Edvino Hoerlle na comissão davam um caráter ecumênico à obra.

Em janeiro de 1948 houve a confirmação de recursos financeiros por parte do município e do governo federal. A obra teve início em 20 de março e em 23 de maio, festa da Santíssima Trindade, foi depositada no solo a pedra angular. A cerimônia contou com a presença de autoridades, líderes religiosos e um grande número de agricultores, que ajudaram na construção doando sua mão de obra. Dois anos depois, no dia 19 de março, inaugurava-se o Hospital São José, fruto da união comunitária e do trabalho da Congregação Divina Providência.

O HSJ em números
67 leitos
198 funcionários
45 médicos
4.178 m² de área física ocupada
436 partos no ano de 2020; sendo referência regional em atendimento materno-infantil
Em 2020
+ de 3 mil internações;
+ de 5 mil consultas médicas ambulatoriais;
+ de 2,7 mil cirurgias;
+ de 400 partos;
+ de 430
sessões de fisioterapia;
+ de 31,5 mil exames;


Quem foi Júlio de Castilhos

Júlio de Castilhos foi governador do Estado do Rio Grande do Sul no final do século 19 e líder do positivismo no Estado. De 1884 a 1889 dirigiu o jornal “A Federação”, propagando as ideias republicanas. Em 1891 elegeu-se deputado para a Assembleia Constituinte e se opôs a Rui Barbosa no capítulo que versava sobre a discriminação de rendas, defendendo os pequenos Estados da federação. Em 15 de julho do mesmo ano, foi eleito presidente do Estado do Rio Grande do Sul. No entanto, em 3 de novembro, com a queda de Deodoro da Fonseca, foi deposto.
Exerceu influência singular sobre a política gaúcha. O castilhismo consolidou-se como corrente política e teve voz ativa por cerca de 40 anos. No plano nacional, Getúlio Vargas procurou implementar o castilhismo no Estado Novo (1937-1945). Júlio de Castilhos morreu aos 43 anos, vítima de câncer na garganta. A casa em que residiu com sua família de 1898 a 1903 tornou-se o Museu Júlio de Castilhos, no centro de Porto Alegre.


Colégio Bom Jesus São Miguel

Colégio Bom Jesus São Miguel faz parte da história da rua e da educação no município

Localizado na altura do número 414 da rua Júlio de Castilhos fica o Colégio Bom Jesus São Miguel, tão presente na história dos arroio-meenses. Sua história inicia em dia 21 de fevereiro de 1931, quando chegaram a Arroio do Meio as três primeiras Irmãs da Divina Providência: Irmã Superiora Verônica, Irmã Gunthilda e Irmã Friedewalda, trazidas por Monsenhor Jacob Seger. Os objetivos da vinda eram assumir o ensino na escola paroquial; iniciar uma escola complementar para meninas; dar formação doméstica e orientação para o lar às jovens; despertar e cultivar vocações religiosas.

A escola que iriam abrir foi denominada de Colégio São Miguel. As aulas tiveram início no dia 1º de março de 1931, com 46 alunas do curso primário e 20 meninas do curso complementar. As Irmãs se encarregavam da educação das meninas.

Em setembro de 1931, os meninos passaram a frequentar o Colégio, que passou a ser misto. Em 1944 foi iniciado o atendimento das crianças no Jardim de Infância. Mais adiante, em 14 de fevereiro de 1957 foi iniciada a oferta do curso Ginasial e, em fevereiro de 1961, foi autorizado, pela Secretaria de Educação do Estado, o funcionamento do Curso Normal de 2º Grau. A Escola também já ofereceu vários Cursos Técnicos e, atualmente, atende o Ensino Básico diurno e Ensino Fundamental e Médio.

A partir de 1º de janeiro de 2009, a Sociedade Sulina Divina Providência, das Irmãs da Divina Providência, firmou Acordo Operacional com a Associação Franciscana de Ensino Senhor Bom Jesus, passando a esta a responsabilidade administrativa e pedagógica. A partir desta data, a Escola passou a ser chamar Colégio Bom Jesus São Miguel.

Por daiane