Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio,

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Agricultura

Certificação de produto orgânico amplia mercado consumidor

, 15 de outubro de 2021 às 9h43

Na feira de produtor, na merenda escolar, nos supermercados, ou direto de quem produz. Os alimentos orgânicos estão cada vez mais fáceis de serem encontrados e inseridos no dia a dia do consumidor. Em Arroio do Meio, seu cultivo não é recente. Desde 1999 a produção orgânica vem sendo incentivada, com a formação do Grupo dos Agricultores Ecologistas de Forqueta. O pioneirismo dos participantes se multiplicou e hoje o município conta com aproximadamente 20 famílias que se dedicam à agroecologia.

No município, são seis famílias que possuem o selo de produto orgânico certificado – Helena Weizenmann, Márcia Ferrari e Adelsi Kirsch (do grupo de Forqueta) e Gelci Beschorner, José Valdir Schmitz e Delmar Kappler (da Organização de Controle Social – OCS – Defensores da Natureza). Os certificados, recebidos pelos dois grupos no mês passado, são renovados anualmente.

A certificação é feita pela Rede Ecovida, de forma participativa. As famílias de Arroio do Meio integram o Núcleo Vale do Rio Pardo. Já o processo burocrático e documental é apoiado pelo escritório local da Emater/RS-Ascar. O engenheiro agrônomo da Emater, André Michel Müller, ressalta que o processo de certificação inclui visitas, encontros e autoavaliações que atestam a conformidade com o que estabelece a legislação. “A Emater apoia a agroecologia desde seu início e continua apoiando os grupos, contribuindo com a elaboração de documentos, mapa das propriedades, entre outros aspectos”, reforça André.

Atividade promissora

A demanda na propriedade do pai José Valdir Schmitz, em Picada Arroio do Meio, fez com que Tangelo retornasse para o meio rural há dois anos. Ele, que atuava como mecânico em Osório, hoje produz alface, repolho, rúcula, chicória, beterraba, cenoura, rabanete e outros hortigranjeiros. A produção abastece supermercados, onde é comercializada com o nome Xugi Orgânicos, e também se destina ao Programa de Aquisição de Alimento (PAA) e à alimentação escolar.

Na propriedade dos Schmitz são dois hectares destinados ao plantio de verduras. Tangelo considera gratificante a rotina com orgânicos, principalmente por ofertar um produto saudável ao consumidor. Diz que a atividade, por não se valer de nenhum agroquímico, é mais trabalhosa e dependente do clima. “Precisa bastante dedicação, mas compensa. A sociedade ainda não tem muita informação, não percebeu a importância dos alimentos orgânicos. Acredito que a produção tende a crescer muito na região”, afirma, salientando que há períodos em que a demanda é maior do que a produção.

Assim como em outros cultivos, é preciso se adaptar aos novos processos. “Para se manter no mercado há exigências cada vez maiores”, aponta Tangelo, comentando a rastreabilidade da produção exigida por alguns supermercados. Praticamente tudo o que os Schmitz produzem hoje pode ser rastreado, desde a muda, cuja maioria vem de um viveiro certificado, até o lote em que a hortaliça estava plantada na propriedade.

Certificação

Quanto à certificação de produto orgânico, Tangelo entende que é um diferencial, visto que expande o mercado e amplia a aceitação do produto. “O cliente procura pelo produto orgânico, mesmo que ele tenha um valor agregado um pouco maior em relação ao convencional. Quem compra sabe que está optando por um produto diferenciado”.

O produtor atua também na certificação participativa de outras propriedades. Ele representa as famílias vinculadas a OCS Defensores da Natureza junto à Rede Ecovida em reuniões e visitas. A certificação é um trabalho criterioso e visa garantir que todas as normas estejam sendo aplicadas na propriedade. “É um trabalho importante, que garante a qualidade do produto. Além disso, nas visitas sempre se aprende algo novo. É uma troca de experiências que só vem a agregar para todos”.

Entrega dos certificados para as famílias Kappler, Schmitz e Beschorner

Por daiane

Entrega dos certificados para Helena Weizenmann, Márcia Ferrari e Adelsi Kirsch, em encontro realizado no interior de Travesseiro