Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio,

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Dia das Mães

Da dor do aborto à realização e alegria com os filhos Sabrina e Bernardo

, 7 de maio de 2021 às 10h15

Ser mãe mudou totalmente a rotina. A sensação única de dormir junto, chegar em casa receber um abraço, desenhos com os dizeres “Eu te amo”, fazer o trabalho da escola. Todo esse sentimento alegra a mãe Denise Maria Hunhoff, a Duda, de 38 anos, de Capitão, que acompanha de perto cada momento e o desenvolvimento dos filhos Sabrina e Bernardo.

A história da Duda, que é casada há mais de 18 anos com Fernando Hunhoff, 39 anos, pode ser dividida em dois capítulos, pois passou por momentos muito distintos nas duas gestações. A filha Sabrina completará 10 anos no próximo dia 10. Já Bernardo, de três anos, nasceu de forma prematura em 2017.

A primeira gravidez foi planejada, tudo ocorreu da melhor forma possível, sendo uma experiência nova ao casal. Sabrina nasceu no dia 10 de maio de 2011, após uma cesárea no Hospital São José, pesando 2,850 quilos. “Foi algo muito novo e muito bom, descobri que era uma pessoa muito diferente. O filho altera o teu modo de pensar e valorizar mais a vida”.

Com o passar do tempo, com estabilidade financeira e casa própria, Fernando e Duda decidiram ter o segundo filho. Sabrina completava seis anos de idade. Foi aí que começou o segundo capítulo da história desta mãe.

A DOR DO ABORTO

Duda passou por momentos difíceis na segunda gestação, quando sofreu um aborto, o que atrapalhou os planos e traumatizou o casal. As primeiras semanas já indicavam que a gravidez seria conturbada e iria dificultar a expectativa de um segundo bebê. A notícia de que o feto não havia se desenvolvido chocou a família. “Eu perdi um filho. Foi muito difícil de aceitar e superar. Meses depois, em março de 2017, veio a notícia da gravidez do Bernardo. Eu estava grávida novamente e isso me deu muita esperança”.

Bernardo chegou para completar a família

Diferente da gestação tranquila que teve com Sabrina, a gestação de Bernando foi mais conturbada com momentos de hipertensão, infecções e internações. O parto ocorreu de forma emergencial. Duda deu entrada no Hospital São José de Arroio do Meio e, logo após, precisou ser encaminhada para Estrela.

O menino nasceu prematuramente no dia 18 de setembro de 2017, com 34 semanas, pequeno, pesando 1,620 quilos. Duda precisou acompanhar a internação em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no hospital.

Bernando ficou internado por 28 dias o que gerou preocupação de toda a família. “Nunca me sentia completa. Sabrina estava em casa e ele no hospital, isso me preocupava muito. A sensação era muito ruim. Passando por tudo isso, hoje digo que fui mãe em dois momentos bem diferentes”, recorda.

Bernardo foi pra casa logo depois, com pouco mais de dois quilos. Por ser um nascimento prematuro, ele teve complicações. Ainda hoje possui dificuldades na fala e necessita de acompanhamento médico, diferente da irmã Sabrina, que teve desenvolvimento dentro da normalidade.

DIA A DIA E A PANDEMIA

A suspensão das aulas e restrições de atividades aproximaram pais e filhos. Com mais tempo em casa e com uma rotina adaptada, Duda acompanhou de perto as atividades dos filhos que, na visão dela, foram prejudicados com os cancelamentos da escola e com a falta de socialização e contato com os demais colegas.

Sabrina está matriculada no 4º ano da Escola Construindo o Saber e Bernardo no maternal B1 da Emei Bem me Quer. Ambos voltaram às aulas recentemente. Mesmo assim, Duda mantém a cautela e entende que a segurança dos filhos está em primeiro lugar. “Sempre temos de pensar na segurança de todos. É uma questão de saúde. Temos uma educação de qualidade aqui no município e o retorno é importante para o aprendizado. A pandemia mostrou também o quanto é importante o papel do professor”.

Na família, apenas Duda testou negativo para a covid-19. Eles passaram por um surto no final de fevereiro, sentindo sintomas leves como febre e dores de cabeça, falta de paladar, tendo que ficar 10 dias em isolamento. “Ficamos preocupados, por se tratar de uma doença nova e com diferentes manifestações. Cumprimos o isolamento e logo depois retornamos à rotina”, conta.

Família realizada

O casal nunca estipulou quantos filhos teria, porém, seguindo recomendações médicas, Duda afirma que a família não irá aumentar, pois uma nova gravidez poderia ser de grandes riscos novamente.

Passando por dois momentos distintos, durante as gestações e agora acompanhando o crescimento de Sabrina e Bernando, Duda e Fernando se sentem realizados. “Foi algo que mudou a nossa vida. Os filhos transformam as pessoas e nos ensinam a valorizar coisas simples da vida. Eles são a nossa maior alegria”, finaliza o casal.

“Tive momentos muito difíceis, passamos por um aborto e o nosso segundo filho ficou internado na UTI do hospital. Uma experiência muito difícil. Ficou uma sensação de culpa e de que isso poderia se reverter. Tudo foi superado com o tempo. Na UTI acompanhei a morte de crianças e o medo era de que isso acontecesse conosco”, finaliza Duda.

 

Por Alan Dick

Duda Hunhoff, 38 anos, mãe de Sabrina e Bernando: os filhos ensinam a valorizar a vida