Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio,

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Agricultura

Família inicia o cultivo orgânico de morango em estufas

, 30 de abril de 2021 às 9h30

Diversificar a atividade no setor agropecuário sempre foi o desafio em Capitão. A região alta reconhecida pela atividade na suinocultura, avicultura e setor leiteiro agora tenta de outras formas se destacar na atividade primária. Uma das alternativas é a construção de estufas para cultivo de alimentos orgânicos, livre de agrotóxicos.

Em Linha Marinheira, a família de Marcos Roberto Hennika, o popular Betinho, 37 anos, decidiu investir na construção de uma estufa com aproximadamente 360 metros quadrados e iniciará na próxima semana o plantio de três mil pés de morangos. O investimento estimado foi de R$ 20 mil.

Conforme Betinho, todo o cultivo será feito sem o uso de agrotóxicos. A estimativa é de iniciar a produção entre 60 e 75 dias. A adubação será feita no sistema de fertirrigação por gotejamento onde o nutriente será diluído com a água e levado diretamente às plantas que estão em canteiros suspensos à um metro de altura, o que facilita o controle de pragas, plantio e colheita.

Conforme o técnico agrícola da Emater, Luciano Braga Cavaletti, que acompanhou o produtor na construção do projeto, a oferta da fruta é constante, sendo maior entre os meses de setembro a janeiro, tornando assim uma boa alternativa de renda. Segundo ele, a venda de produção pode ser concentrada ao consumidor final, mercados e fruteiras ou até mesmo na merenda escolar por meio das políticas públicas como o PNAE e PAA.

Na propriedade de Hennika, todo o serviço de terraplanagem foi realizado gratuitamente pela secretaria da Agricultura. Já a compra de mudas foi intermediada pela Emater local. Além dele, outros produtores já investiram no cultivo de morango, como é o caso da família de Rubem e Rangel Ziem. “A produção já foi maior no passado, porém com técnicas ultrapassadas de manejo e mudanças constantes no clima, muito dos produtores ligados aos morangos optou em deixar a atividade”, relata Luciano.

Por Alan Dick