Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio,

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Eleições 2020

Situação aposta no trabalho realizado e busca a reeleição

, 31 de julho de 2020 às 9h25

As movimentações para mais uma campanha eleitoral, estão a pleno vapor na coligação situacionista de Arroio do Meio, formada pelo MDB, PT, DEM, PTB e que pode contar também com o PSDB, que já foi convidado e ainda não se posicionou. Os partidos, aliados há três mandatos, já estão se organizando, com reuniões semanais dos coordenadores há cerca de dois meses.

Assim como em outras campanhas, a comissão de frente é formada por 15 pessoas. Cada uma lidera um grupo de trabalho. Norberto Dalpian, Paulo Volk, Sidnei Eckert, Paulo Steiner, o prefeito Klaus Werner Schnack e a vice Eluise Hammes, além de líderes partidários, são nomes que compõem o grupo.

Reeleição

Klaus e Eluise já foram referendados pelos diretórios e executivas dos partidos como pré-candidatos à reeleição. A oficialização virá nas convenções, ainda sem data agendada, mas que devem ocorrer entre 31 de agosto e 16 de setembro. Já a nominata à vereança está se consolidando. Cada partido pode ter até 17 postulantes ao Legislativo. Destes, pelo menos seis devem ser mulheres.

Os representantes do grupo de coordenação, Paulo Volk e Norberto Dalpian, ponderam que as eleições deste ano serão atípicas. A campanha política, que sempre foi feita na rua, em contato direto com o povo, terá de ser repensada por causa do coronavírus, com mais ênfase para os meios digitais, cujo grupo gestor já está em formação. Com as tradicionais visitas mais restritas, assim como os comícios, os programas de rádio devem ganhar ainda mais peso como ferramenta para levar os projetos e ideias para os eleitores. “Com a pandemia tudo muda. Fica difícil fazer visitas, bater de porta em porta”, frisa Dalpian.

Experiente, com envolvimento direto na política arroio-meense há pelo menos cinco mandatos, tendo sido vice-prefeito, secretário municipal, coordenador de campanha e coordenador regional do partido, ele diz que todo o político gosta do contato físico com o eleitor, o olho no olho. Percebe que a jornada deste ano será diferente, mas não menos desafiadora do que as anteriores. Por isso, vê com bons olhos o adiamento das eleições para novembro, dando mais tempo para os partidos trabalharem e se organizarem.

“Não existe eleição fácil…”

Já Paulo, vereador eleito por quatro mandatos e atualmente à frente da secretaria de Obras, pasta que também secretariou nos dois mandados de Sidnei Eckert, pontua que não existe eleição fácil, mesmo sendo situação. Diz que cada processo eleitoral é diferente e exige trabalho e dedicação. O grande número de pessoas envolvidas – só o MDB reúne mais de 700 filiados – pode ser um diferencial para que as muitas realizações da Administração cheguem até o eleitor e despertem a intenção de voto.

Os coordenadores consideram o pré-candidato da oposição, o ex-prefeito Danilo Bruxel, um adversário forte, pois já foi prefeito por dois mandatos. Da mesma forma, garantem que há unidade do grupo em torno dos nomes de Klaus e Eluise e que a busca pela reeleição é o caminho natural. Salientam que a gestão atual é séria e coerente, que atende o propósito de sua marca – Comunidade e Família – e cuida das pessoas, pensando no melhor para quem reside em Arroio do Meio. Destacam os investimentos em saúde, educação e obras, com o cuidado ao patrimônio público.

Mobilidade urbana

Para ambos, a mobilidade urbana é uma das grandes realizações da gestão. No período, foi instituído o estacionamento rotativo gratuito, foi ajustado o fluxo na saída do Centro, que passou a ter três pistas, e foi construída uma rota alternativa para atravessar a ERS-130 por baixo da ponte do Arroio Grande, entre outros vários avanços nos bairros, incluindo melhorias pensadas para o pedestre. “O trânsito avançou bastante. Era uma demanda que foi apresentada na eleição anterior e que se conseguiu avançar. Era um gargalo e se criou opções”, avalia Norberto.

A proposta de plano de governo está em fase de elaboração, com a equipe acolhendo sugestões. Os coordenadores argumentam que o trabalho do grupo vem dando certo há 12 anos, três mandatos, e que a ideia é avançar cada vez mais. Para eles, um dos motivos para o sucesso da coligação em sucessivas eleições, é o trabalho sério e a união do grupo, que mescla juventude e experiência. O envolvimento das mulheres também tem se destacado ao longo dos anos.

Se em algumas siglas o número de mulheres dispostas a concorrer é limitado, o MDB e os partidos aliados vivem uma situação mais confortável. “A participação das mulheres sempre foi muito forte no MDB e na coligação. No passado tivemos a Márcia Scherer e a Lúcia Schmidt Horn que foram vereadoras, depois a Lúcia foi vice-prefeita. Tivemos a vereadora Cloé, e hoje temos a Adiles Meyer e a Helena Matte na Câmara e a vice-prefeita Eluise. A mulher agrega muito na política, gera confiança e uma marca no MDB e na coligação”, destaca Norberto, afirmando que há mulheres também no grupo de coordenação.

Além da forte presença feminina, os coordenadores destacam a renovação interna, com o surgimento de novos nomes a cada eleição, proporcionando a formação de novos líderes. Este foi um dos fatores para que o vereador Paulo Volk optasse por não concorrer em 2020.

Por Alan Dick