Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio,

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Enchentes

Maior do que 2001

, 10 de julho de 2020 às 15h25

Reportagem:
Jaqueline Manica, Solano Alexandre Linck e Renata Souza


A enchente que atingiu pelo menos mil famílias em Arroio do Meio, totalizando aproximadamente 3,5 mil pessoas, foi maior do que a registrada em 2001, considerada uma das mais expressivas das duas décadas. As réguas de medição, localizadas no Balneário Municipal, registram que o Taquari alcançou a marca de 33,15 metros, 45 centímetros acima da alcançada em 2001. O nível do rio estabilizou apenas às 23h de quarta-feira e começou a descer na manhã de quinta-feira. À noite, ainda havia pontos interrompidos, a exemplo da rua Dom Pedro II e Gustavo Wienandts.

Subindo rapidamente, o nível das águas surpreendeu até os moradores mais antigos. Depois de um longo período de estiagem, era quase inacreditável, na terça-feira de manhã, que haveria uma enchente de tamanha proporção. No entanto, o passar das horas mostrou um cenário devastador, que ficou mais visível com o baixar das águas. Pelo menos seis pequenas casas de madeira, todas no bairro Navegantes, foram levadas pela correnteza. Muitas famílias conseguiram deixar suas casas somente com a roupa que vestiam, perdendo todos seus pertences. Os bairros mais atingidos são o Navegantes/rua Tiradentes e o São José. Também houve danos em Bela Vista, Aimoré e São Caetano, além da área rural.

Trabalho intenso

A Defesa Civil, coordenada pelo secretário de Obras, Paulo Volk, monitorou o crescimento do Taquari durante a terça-feira. Às 23h, convocou a equipe e, à meia-noite iniciaram as remoções. Os trabalhos se intensificaram na quarta-feira, quando foram auxiliadas mais de 100 famílias. Destas, 40 foram removidas para ginásios municipais e 120 deslocadas para a casa de parentes ou amigos. A estimativa é de que, pelo menos, 100 tenham removido seus pertences de forma autônoma.

Trabalharam no auxílio as famílias as equipes das secretarias de Obras, Agricultura, Saúde e Assistência Social, Serviços Urbanos, Trânsito, entre outros servidores. Foram utilizados 13 caminhões do município e vários outros particulares e de empresas. Além disso, havia pelo menos 15 pequenas embarcações auxiliando e que foram fundamentais para que muitas pessoas pudessem ser socorridas com segurança.

Para Volk, houve muitas situações de tensão, especialmente das famílias que se alojaram no segundo pavimento, onde a água nunca havia chegado. “Se viram no desespero de não ter mais para onde ir, com muita correnteza no pavimento inferior. A remoção teve de ser feita de barco”, afirma, comentando que as maiores dificuldades foram depois do entardecer, quando a demanda por esse tipo de socorro se acentuou. “Só temos a agradecer a todos, tanto da equipe municipal, como voluntários, que trabalharam no auxílio a estas famílias”, pontua.

Auxílio às famílias

O município organizou uma rede de apoio para as famílias desalojadas. Na manhã de quinta-feira, o prefeito Klaus Werner Schnack anunciou que o município faria a entrega de kits de limpeza para os desabrigados poderem efetuar a limpeza dos seus imóveis. “À medida que as águas recuarem e, paralelamente, faremos o levantamento dos estragos para que, assim, possamos de forma conjunta criar um comitê de crise e, juntamente com as famílias e comunidade, estabelecermos formas para restabelecer, em parte, a normalidade no município. Lamentamos todos por essa situação e estamos neste momento, novamente, solicitando a união de todos para que o município possa sair dessa dificuldade”.

Na Rua Campos Sales, no Navegantes, muitas famílias salvaram poucos pertences

Rua Maurício Cardoso teve um grande trecho tomado pela água

Área central foi inundada pelos arroios Grande e do Meio, que ficaram represados pelo Taquari

Água cobriu a rua Bela Vista nas imediações da empresa Oásis

Grande prejuízo também nos estabelecimentos comerciais

Por Alan Dick