Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio,

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Escola São Caetano - 110 anos

Lembranças guardadas com saudade e carinho

, 3 de julho de 2020 às 10h45

Me lembro com saudade e carinho da Emef de São Caetano, onde estudei da 1ª a 5ª série do Ensino Fundamental, ou seja, dos sete aos 12 anos de idade. Naquela época, era o programa máximo que tínhamos. Lembro dos professores, como Eulália, Inácio e Celomar Schneiders e de Ivete Suing, que realizou seu estágio com nossa turma. Lembro com carinho dos colegas daquela época.

Era tudo muito simples comparado com os dias de hoje. Era necessária uma mochila ou saco plástico, lápis, caneta e estojinho de lápis de cor – este era tratado com todo o cuidado para durar o ano todo – um caderno para escrever, um para caligrafia e um para matemática, que eram encapados.

Aos sábados, tínhamos aula de canto na Capela e, após, jogos de caçador, handebol, vôlei e futebol no potreiro que ficava entre a Escola e a Capela. Eu, após a aula de canto, ia para casa, fazer a faxina, pois era a menina mais velha. A escola tinha uma pequena biblioteca com livrinhos para leitura, que eu aproveitei muito, pois, após o almoço, ia para o quarto ler.

Naquela época, cada aluno levava o seu lanche. E o recreio era o momento mágico, com muitas conversas e brincadeiras. Era muito frio no inverno, especialmente quando passávamos pelo Salão Joriz. O vento era gelado e, claro que os agasalhos da época não colaboravam muito. Na sexta-feira, no final do turno de aula, era feita a limpeza e organização da sala de aula, que contava com a ajuda de toda a turma.

O mês de outubro era muito esperado, pois nesta época era realizado o piquenique ou passeio anual da Escola. Fomos num ano para Doutor Ricardo, na Gruta Nossa Senhora de Lourdes, em outro ano, no potreiro e arroio de Dona Rita, dos Linck e, em outro, fomos na Cascata de Novo Paraíso, Estrela. Também passamos um dia aqui no Seminário de Arroio do Meio. Enfim, esta fase da minha vida foi maravilhosa. Eu só tenho a agradecer por tudo o que pude aprender e pela convivência”.

Por Alan Dick