Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio,

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Geral

Outono se despede

, 12 de junho de 2020 às 9h59

Estação em que as árvores perdem as folhas e que permite registros como este, ao lado, na rua São João, no Centro de Arroio do Meio, encerra na próxima semana

Depois de uma seca histórica que iniciou no fim de novembro e durou até a segunda quinzena de abril, o outono está encerrando com o retorno gradativo das chuvas. O inverno inicia oficialmente no próximo dia 20. Os institutos de meteorologia descartam um inverno com temperaturas tão baixas como as registradas no ano passado. As projeções dão conta de que o mês de agosto seja o mais frio. As chuvas devem ficar um pouco abaixo da média, especialmente a partir de novembro, quando poderão ocorrer pequenas estiagens, mas não tão graves como a da última temporada.

PLANTIO DE FRUTÍFERAS

A Emater-rs/Ascar recomenda o plantio de árvores frutíferas até a fase inicial do inverno. O técnico em agronomia, Elias de Marco orienta que as pessoas já organizem a área do pomar, por meio do preparo do solo, adubação orgânica, incorporação de fibras (palha) e extração de vegetação indesejada e que providenciem mudas nas agropecuárias ou floriculturas. “Hoje não se indica mais a abertura de covas, pois acabam limitando o desenvolvimento da raiz num único local. O ideal é um solo bem drenado e boa orientação solar, eliminando árvores com muita sombra”. explica.

O custo médio por muda, varia entre R$ 10 e R$ 15, podendo ser mais elevado de acordo com a variedade. A distância entre plantas varia de acordo com a espécies. Na implantação, o principal predador é a formiga.

Segundo Elias, é possível planejar um pomar que dê frutos durante as quatro estações do ano. Só em citrus, dependendo da combinação das variedades, é possível colher frutos ao longo de nove meses. Para manter o pomar saudável são orientadas podas e controle de daninhas, como a erva de passarinho. Paralelamente ao cultivo de frutíferas, a Emater recomenda a introdução de hortas, para a produção de outros alimentos, garantindo a segurança e soberania alimentar. “O ideal seria que as famílias com áreas de terra ou pomares produzissem 72% dos alimentos que consomem. Além disso, convidar amigos para consumir e contemplar um pomar é uma atividade revigorante”, destaca o técnico.

Por Alan Dick