Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio,

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Geral

Seres humanos melhores?

, 30 de abril de 2020 às 8h50

Por Greicy Weschenfelder


Temos uma grande oportunidade, em função da pandemia e do isolamento que o vírus nos impõe, de repensar a vida, reavaliar certas práticas, hábitos e nos tornarmos pessoas melhores.

Estar mais próximo da família certamente une, integra, esclarece e faz valorizar mais quem temos como base. Também, permite que, a partir do diálogo, consigamos abrir nossos corações e perdoar palavras mal ditas e situações que o tempo, até então, não nos permitiu esclarecer. Descobrimos as pessoas que estão no nosso lado; suas necessidades, seu jeito, seus hábitos. Conseguimos dizer a elas talvez tudo aquilo que nunca dissemos ou tínhamos vontade de dizer. O tempo agora é o presente, pois o amanhã é uma incerteza.

O tempo da pandemia nos permite olhar para nós e usá-lo a nosso favor, como por exemplo, a prática da concentração, do silêncio e da meditação. O real enxergar nossos sonhos. Ganha espaço a leitura de livros, o que só nos engrandece. A volta de hábitos que muitas vezes deixamos de lado, pela correria; como jogos e brincadeiras simples, além disso, dá para dedicar o uso do tempo para assistir a ótimos filmes e seriados.

Lia uma entrevista do Leandro Karnal que diz que sairemos mais felizes depois dessa pandemia, e comprova isso através da história. Os povos, depois das grandes pandemias saíram mais fortalecidos e felizes.

Por ser um tempo também de incertezas, aflição, medo, enfim, uma mistura de sentimentos negativos faz o gatilho da ansiedade e da tristeza disparar de tal forma, às vezes, incontrolável. E se esse negativismo for repetido em nosso dia a dia, não tem como não “cair” na depressão e na síndrome do pânico, entre tantas outras coisas.

A sensação de que o pior pode acontecer e essa repetição, em alguns canais de comunicação, do negativo tende a “mexer” tanto em nossa vida que o psicológico, inegavelmente, e, naturalmente fica abalado. E nem escrevi nada a respeito da preocupação depois, nesse tempo de parada obrigatória, com os rendimentos e futuro profissional.

O replanejar a nossa rotina, objetivos e ações futuras requerer uma habilidade que talvez, para alguns, nunca foi necessária. E ai faz como? Lidar com o novo nunca foi algo inerente ao ser humano, ai junta-se a isso a incerteza, está feito o prato emocional que precisa da nossa calma e positividade para não arruinar um tempo que poderia ser saudável.

Parafraseando Karnal, que hoje foi um dos motivadores desse texto: … “vamos ser felizes hoje. Não esperemos o futuro”. Por isso, diga hoje “Eu te amo” para quem convive com você. Por isso, faça o bem, agora!

Por Alan Dick