Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio,

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Geral

Era das videolocadoras chega ao fim

, 2 de setembro de 2017 às 9h30

A pirataria, a internet e a televisão via satélite inviabilizaram um serviço tradicional e presente na rotina dos cidadãos de Arroio do Meio. Na última semana de agosto, a única videolocadora em funcionamento no município, encerrou as atividades, e está liquidando DVDs.

Fundada em março de 1991 pelos sócios Márcio Rempel e Jandir Scheid, a Vídeo Locadora Master, primeira do segmento no município, veio atender uma demanda local, pois até então o público precisava se locomover até os estabelecimentos em Lajeado.

No início faltavam fitas VHS para os clientes assistirem os filmes nos vídeos cassetes, de tão alta a procura. Paralelamente outro sucesso era a locação de cartuchos de vídeo game. Depois, surgiram os CDs e DVDs. “Os primeiros aparelhos custavam mais de R$ 2,5 mil. Algumas mídias chegavam a ser locadas centenas de vezes, havia fila de espera”, comenta a atendente Elaine Pfluckseder.

No auge, o estabelecimento chegou a locar em média mais de 500 filmes por final de semana, quatro colaboradores, e inclusive chegou a abrir uma filial na rua General Daltro Filho, nas imediações da Calçados Kist, além de possuir dois concorrentes somente no Centro.

Entretanto o custo operacional elevado – considerando que os DVDs originais são adquiridos por mais R$ 100, incluindo os impostos dos direitos autorais e ônus atendimento – aliada a concorrência desleal com material pirata e novas tecnologias (legais e clandestinas), dificultaram a manutenção das atividades. “Os piratas chegavam antes nas mãos das pessoas do que os originais eram disponibilizados no mercado. E mesmo com áudio e resolução de imagem piores, e trazerem danos aos aparelhos, tinha muitos adeptos”, comenta Elaine.

O sócio-proprietário Jandir lamenta que a mídia Blu Ray não emplacou no mercado, em consequência do alto custo da tecnologia para grande massa. “Os lançamentos ainda demoram pra chegar à TV Via Satélite e o Netflix. O Blu Ray chegaria antes, com uma resolução e qualidade de áudio superior e sem pirataria. A locação ainda seria a opção mais prática, mas no Brasil temos outra cultura”, dimensiona.

Na visão de Scheid, Arroio do Meio até teria espaço para uma videolocadora, desde que o estabelecimento aglutinasse outras funções, como espaço para cafeteria e livraria, por exemplo. No entanto, a sala comercial da Master, não comportava ampliar o roll de produtos e serviços e os sócios optaram em paralisar as atividades. “Tentamos vender, mas não houve interessados […] Temos outros negócios mais lucrativos”, argumentam.

A liquidação de mídias conta com promoções que variam entre três DVDs por R$ 10, até R$ 15 por unidade – em caso de lançamento, Blu Ray ou infantil. Alguns clientes, adeptos da cultura de locar mídias, lamentam o encerramento das atividades do estabelecimento que esteve presente na vida dos arroio-meenses por mais de duas décadas.

Por daiane

Com 26 anos de história, videolocadora mais antiga da cidade encerrou atividades e está comercializando seu acervo