Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 07 de Março de 2021

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Geral

Prefeituras terão feriadão mesmo sem Carnaval

, 12 de fevereiro de 2021 às 9h25

Em muitas cidades do Brasil, com tradição no Carnaval de rua, os governantes abriram mão do ponto facultativo, pois entendem que sem a festa, não há motivos para manter as repartições públicas fechadas.

A medida não é uma unanimidade. Uma das justificativas das autoridades é não incentivar aglomerações em tempos de pandemia. Entretanto, a decisão é muito questionada por adeptos ao feriado que está consolidado na rotina dos brasileiros desde o período Pré-Colonial, entre os séculos XVI e XVII.

Na área de atuação do AT, as prefeituras de Arroio do Meio, Capitão, Marques de Souza, Pouso Novo e Travesseiro, terão feriadão na segunda e terça-feira de Carnaval. A exceção fica por conta de serviços essenciais na saúde e na agricultura.

Em Arroio do Meio, o ponto facultativo foi instituído na Lei Municipal 1.715/2000. De acordo com o secretário de Administração Áurio Paulo Scherer, o feriadão será mantido, mesmo sem festividades, pois está enraizado na cultura local.

COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS – Empresas, prestadores de serviço e comércio em geral podem optar por abrir suas portas ou não. A opção depende de cada estabelecimento. A tendência é de que indústrias de maior porte e redes de lojas estejam abertas, pelo menos, na segunda-feira.

AGRICULTURA – Em Arroio do Meio o enterro de animais e o fechamento de silos, podem ser contatados pelos fones 99327-7206 e 99963-2905, com o próprio secretário Élcio Roni Lutz. Em Travesseiro o contato para emergências é o 99961-8793, também o com o secretário Ildo Rodrigues Godoy.

ABASTECIMENTO DE ÁGUA – Em Capitão, o abastecimento de água pode ser solicitado pelo 98937-5109.

SAÚDE – Os atendimentos de saúde em Arroio do Meio estarão concentrados no plantão do Hospital São José, no Telessaúde/Covid 99699-5842 e no Plantão da Ambulância 99978-3134. Capitão atenderá emergências pelo 99148-2700, Travesseiro pelo 99961-8795.

PLANTÕES DE POUSO NOVO – Obras: 98124-8787; Saúde 98124-9797; e Agricultura 98124-8500.

POLÍCIA CIVIL E FÓRUM – A Delegacia de Polícia de Arroio do Meio não atenderá na segunda e na terça-feira de Carnaval, retornando às atividades somente na quarta-feira, no turno da tarde. Boletins de ocorrência e denúncias devem ser feitas na Delegacia de Pronto Atendimento (DPPA), em Lajeado. O Fórum do município também não terá expediente na segunda e na terça-feira voltando ao atendimento normal ao meio-dia de quarta-feira. A Promotoria Pública voltará a atender na quarta-feira pela manhã em horário normal das 8h às 18h.

BANCOS – Da mesma forma, as agências bancárias não atenderão ao público na segunda-feira e na terça- -feira. Abrem somente ao meio-dia de quarta-feira, com exceção do Banrisul que retorna às 11h. O Sicredi retorna às 9h em Capitão e Arroio do Meio, com expediente até às 16h, em Travesseiro e Marques de Souza, das 11h às 14h e em Pouso Novo das 12h às 15h.

SUPERMERCADOS – Os supermercados Dália, Languiru, Marel e Arroiomeense, funcionarão normalmente na segunda e terça-feira de Carnaval. Já o Supermercado STR de Marques de Souza, atende normalmente na segunda-feira e, na terça-feira, estará fechado. O supermercado Biasibetti de Capitão, terá horário de domingo na terça-feira.

ESCOLAS – A rede de ensino regular terá feriadão na segunda e terça-feira em Arroio do Meio, Capitão, Travesseiro e Pouso Novo.

ÔNIBUS – Os itinerários de ônibus não sofrerão alteração na segunda-feira. Na terça-feira, a Transportes Oásis manterá horários de domingo. A empresa Irmãos Cé terá o transporte suspenso. A Autoviação Bento e a Expresso Azul terão horário normal. E empresa Arroio do Meio não terá linhas suburbanas, apenas intermunicipais à Lajeado e Encantado.

FESTAS CLANDESTINAS – O novo comandante da 3ª Cia do 22º Batalhão da Polícia Militar, com sede em Arroio do Meio, Marcos André Cíceri, revela que é função da fiscalização municipal apurar aglomerações e festas clandestinas, mas que a BM estará de prontidão para acompanhar ações do Poder Público. A BM também atenderá ocorrências de perturbação de sossego.

SEM EVENTOS, SETOR DE ENTRETENIMENTO CLAMA POR AJUDA – O Feriadão de Carnaval de 2020, que ocorreu entre 21 e 25 de fevereiro, foi um dos últimos eventos antes do distanciamento controlado adotado durante a pandemia de covid-19, a partir de março. Neste período, o setor de eventos foi um dos mais prejudicados.

Neste fim de semana, tradicionalmente em diversas cidades do Brasil e do mundo, milhares de pessoas festejavam ou realizavam manifestações culturais nas ruas e lugares públicos.

É o caso do Carnaval de Nova Bréscia, um dos eventos mais tradicionais de Carnaval do Vale do Taquari. O Grupo Elevse de Arroio do Meio, promovia o evento há 20 anos. Na última edição, 4,3 mil pessoas prestigiaram a festa. Um público superior ao da população da cidade.

De acordo com a proprietária da Elevse Cristiane Bruxel, a organização exigia três meses de preparativos, e a festa em si envolvia mais de 100 profissionais entre garçons, músicos, DJs, seguranças e atendimento ao público, gerando emprego e renda para estas famílias.

Para o grupo Elevse, que completa em março um ano com a empresa de eventos e casa noturna (Sítio Live) fechados, os prejuízos são enormes. Mais de 40 pessoas ficaram sem a renda extra do setor, além dos prestadores de serviço (bebidas, limpeza, divulgação e escritório). “Até agora não tivemos escuta na sociedade, sendo que participamos da economia da cidade e geramos empregos. Nós, como empresa, prestamos conta e trabalhamos sempre nas leis. Sendo que não ajudar o setor gera festas clandestinas, onde não existe segurança, muito menos protocolos contra a covid-19. Entendemos que são necessárias novas adaptações, mas até o momento não foram dadas opções para o nosso setor que está simplesmente um ano parado. Estamos precisando de ajuda”, argumenta.

Última edição do Carnaval de Nova Bréscia, em 2020, teve mais público que o número de habitantes da cidade

Empresária do setor de eventos, Cristiane Bruxel avalia que pouco apoio das autoridades ao segmento incentivou festas clandestinas

Por Alan Dick