Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 27 de Janeiro de 2021

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Educação

Famílias e escolas mantêm atividades de agroecologia

, 5 de junho de 2020 às 10h30

Em Arroio do Meio, todas as escolas da rede municipal desenvolvem algum tipo de atividade em agroecologia e sustentabilidade ambiental. As escolas rurais – Barra do Forqueta, Dona Rita, Duque de Caxias de Arroio Grande, Itororó de Palmas, Afonso Celso de Picada Arroio do Meio, Getúlio Vargas de São Caetano, Arlindo Bach de Forqueta – desenvolvem atividades mais intensivas ao longo da grade curricular, como cultivo de hortas e cuidados com plantas. Já as escolas urbanas – Bela Vista, São Caetano, João Beda Körbes e Tancredo Neves – abordam soluções ambientais como o desenvolvimento de composteiras, reciclagem do lixo e uso sustentável da água. As dinâmicas alimentação saudável e práticas sustentáveis também estão inseridas nas Escolas Comunitárias de Educação Infantil (Eceis).

A Escola Duque de Caxias, já antes da pandemia, estimulava alunos e famílias, para que, na medida do possível, cultivassem uma horta em casa, como forma de dar continuidade a conhecimentos praticados na rotina estudantil. O educandário e a comunidade escolar, há décadas, desenvolvem atividades voltadas para a natureza e sustentabilidade. Um dos destaques recentes, também é a coleta seletiva do lixo, que foi estimulada a ser feita em todo o distrito de Arroio Grande. Já as práticas rurais, de acordo com a diretora Magda Rockenbach, estão no DNA da instituição e são abordadas de uma forma muito natural e espontânea.

Durante o isolamento, o cultivo e manutenção de hortas foi um dos assuntos abordados nas atividades a distância. O aluno do terceiro ano do ensino fundamental, João Vitor Biasibetti, 8 anos, filho de Carine e Vanderlei, moradores do Morro Tico-Tico, está entusiasmados com sua horta que foi construída pelo pai em formato de carroceria de caminhão.

No canteiro, cultiva alface, repolho, couve flor, cenoura, rabanete e alho. A próxima meta é cultivar moranguinho. Segundo, sua mãe, além de colocar esterco e regar a cada dois dias, João Vitor, arranca todo o inço. O menino também é responsável por tratar 20 galinhas. Com o lucro da venda de ovos, paga a mensalidade da escola e o corte do próprio cabelo. A atividade também recebe a interação de sua irmãzinha, Ana Luiza, de três anos e garante alimentos saudáveis na mesa. A família de João Vitor atua na bovinocultura de leite e aloja 1.140 suínos. Apesar da ocupação e responsabilidade, o jovem não vê a hora de retornar à escola e rever colegas e amigos.

A Escola Arlindo Bach de Forqueta desenvolve, desde 2009, ações socioambientais do projeto Verde é Vida da Afubra. Apesar das atividades estarem suspensas, o aluno do terceiro ano Luís Otávio Endler, 8 anos, e sua irmã Isabele Vitória, filhos de Neiton e Amanda Endler, de Linha 32, fazem questão de manter ativo o costume de cultivar a horta de alimentos orgânicos e a estufa de moranguinhos. A ajuda do vô Pedro dá estímulo adicional.

Uma das atividades da ECEI Raio de Sol, de São Caetano, é a cesta dos sabores, que promove a interação das crianças com alimentos saudáveis e muitas descobertas. A Arquiteta Laís Cristina Kern Schinestzki, moradora de Dona Rita, sempre fez questão de manter a filha, Maria Flor, 1 anos e sete meses, longe dos açúcares na fase inicial da vida. Os alimentos da cesta foram cultivados e colhidos na horta do vovô Joner Kern.

Apesar da rotina escolar mal ter começado e já ter paralisado, algumas recomendações de atividades e de brincadeiras para serem feitas com as crianças são consideradas importantes para estimular o aprendizado dos pequeninos, segundo a mãe, juntamente com interação de vídeos, para facilitar a readaptação à rotina da escolinha quando a pandemia passar.

João Vitor e Ana Luiza Biasibetti interagindo com a horta em formato de carroceria

Maria Flor Kern Schinestzki
com a Cesta de Sabores

Por Alan Dick