Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 03 de Junho de 2020

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Forquetense - 75 anos

Forquetense: 75 anos de glórias

, 22 de maio de 2020 às 11h00

O futebol é um verdadeiro marco na história da colonização e desbravamento das comunidades. Em Forqueta este marco está na fundação da, hoje, Associação Esportiva Forquetense. O clube, de cores verde e branco, tem suas raízes no começo da colonização da localidade por volta de 1870. O futebol teve seus primeiros movimentos em 1920, quando os atletas ainda se deslocavam a cavalo até os locais dos jogos.

A criação oficial do Forquetense aconteceu em 21 de abril de 1945, tendo como primeiro presidente, o cervejeiro Ervino Träsel, numa época na qual Forqueta tinha uma economia forte com base no setor primário, com lavouras, pecuária e criação de suínos. Havia na localidade escola, salões de baile, pontos comerciais com bodegas e canchas de bocha, açougues, ervateira, alambique, funilarias e ferrarias, atendimento de dentista e parteira e um pequeno hospital. Os homens da época enxergavam que havia uma necessidade de esporte e lazer para os meninos e jovens, e que o futebol era o mais viável. O Forquetense surgiu com seu primeiro campo numa área de terras na propriedade da família Jungken, situada nos fundos da Igreja São Vendelino.

O Forquetense iniciou a sua caminhada para um futuro pouco desenhado, mas cheio de esperanças. O patrimônio físico foi construido ao longo de 75 anos, fruto de trabalho, empenho, com muito suor derramado, principalmente pelos antepassados através de seus serviços que eram todos braçais. Consta que a primeira partida de futebol foi com o Travesseirense. O Forquetense venceu por 2 x 1. Outro registro indica a primeira conquista: um torneio realizado em 1948, no potreiro Zimmermann, em Arroio do Meio. O Forquetense superou o Clube Esportivo Arroio do Meio.

Na década de 1950, o futebol e a religião já eram a base comunitária. A equipe de futebol era muito forte, recebendo a denominação de “rolo compressor”. Em 1956, quando Norberto Redecker era presidente e Irno Staffen, diretor, foi adquirida a área de terras de Armando Schmidt, onde hoje está a sede. O tempo foi passando e a vida foi se modernizando. O Forquetense se fortalecia com suas disputas que na época aconteciam muito em forma de torneios, até a década de 1960, quando iniciaram as disputas, com a criação da Lafa, em 1966. O Forquetense era considerado clube de respeito.

Nos anos 70, o alviverde começou a despontar ainda mais. Em 1977, o professor Paulo Alécio Weizenmann instituiu o Hino do Forquetense, que era cantado durante eventos e jogos por sua inflamada torcida, que agitava com uso de balões e bandeiras a atuação de uma nova geração do futebol. O entusiasmo era muito grande, a ponto do clube manter uma tradição com a realização de bailes para a escolha de suas soberanas. Dentro de campo vieram os primeiros títulos oficiais.

A história foi criada por etapas. Durante a década de 1980, período que veio a estrada de asfalto para Forqueta, o clube construiu seu ginásio de esportes com 1.370m² durante mandato de presidência de Arlindo Wolf. A inauguração aconteceu no dia 22 de abril de 1989, com baile animado pela banda Barbarella, quando era presidente Otávio Heineck. Foi na década de 80, que uma equipe de veteranos passou a integrar o clube junto com a participação em competições de bocha. Um novo desafio foi traçado para os anos 90, quando o clube investiu na construção de um novo campo de futebol de 95×78 metros, inaugurado em 1995, quando Lauro Kraemer era presidente.

O Forquetense passou a atuar como clube grande no distrito e no futebol amador, com atividades sociais, canchas de bocha, futebol de salão, que anos após teve anexado um campo de minifutebol. Tudo está acrescido ao lazer com jogos de carteado e da movimentação de um clube de mães em suas dependências, que também atendem às necessidades de outras entidades da localidade.

Por Alan Dick