Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 06 de Junho de 2020

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Municípios

Joana aposta no futuro do município na expectativa de mais investimentos públicos e privados

, 13 de março de 2020 às 16h20

A jovem empresária travesseirense Joana Fussinger, 27 anos, nasceu em 21 de setembro de 1992, exatamente no ano da emancipação. No seu registro de nascimento consta Marques de Souza, pelo fato de ter nascido no hospital daquele município.

Os pais Luiz Claudino e Maria Síria Arne Fussinger ainda residem em Picada Ruschel e têm outros quatro filhos: Roseléia, Mariléia, Gerson e Sidinei.

Sua trajetória está totalmente ligada a Travesseiro. Cursou o Ensino Médio no Colégio Monsenhor Seger e, aos 15 anos, entrou no mercado de trabalho, na antiga Biscoitos Shalana, onde também seus irmãos trabalharam, em diferentes épocas. Um ano depois, uma nova oportunidade a conduziu a Marques de Souza. Era preciso acordar as 6h, seguir de bicicleta até o Travesseirense e pegar o ônibus para Marques de Souza onde, por quatro anos, trabalhou na confeitaria da Fruteira Mertz. Desde criança, era fascinada por cozinha. Fazia bolos, puxa-puxa e enroladinhos que faziam o maior sucesso entre os colegas. Tal dom, reconhece, herdou da mãe. Na Fruteira Mertz, segundo ela, muito trabalho, inclusive de madrugada. Muito aprendizado, mas sem o reconhecimento almejado. Foi então que despertou para um negócio próprio. Não fazia faculdade e ter empreendimento lhe possibilitaria uma renda maior.

Estava então com 20 anos e sem nenhum dinheiro para investir. Ela e os irmãos durante todo o período em que trabalharam fora de casa, tinham a obrigação de entregar o ordenado aos pais. Isto até completarem 18 anos. Ao completar 18, fez carteira de habilitação e comprou a moto que era da irmã. Apresentou à família a ideia de abrir uma confeitaria, recebeu o apoio de todos, pois sabiam do seu potencial e até o pai, que para tudo sempre dizia “não”, calou com um sim. Cleiton, o marido, acreditou nela, mesmo que na época, estivessem apenas em início de namoro.

Abriu a confeitaria Delícias Jô, em agosto de 2013. Logo sentiu a necessidade de ampliar o espaço e alugou a sala ao lado. Além de Joana, trabalham com ela, o marido Cleiton e uma funcionária. Sobre expandir os negócios, aumentar a produção e contratar mais funcionários, não tem esta pretensão no momento. “Crescimento gera mais despesas, tributos, mais estresse, preocupações e consome ainda mais o nosso tempo de descanso. Busco ter qualidade de vida. Melhorar no que fazemos, , na qualidade dos produtos, no atendimento, num ambiente cada vez mais atraente e aconchegante”, diz Joana. Em Travesseiro as pessoas ainda têm o hábito de fazer o próprio pão, então é preciso oferecer outros atrativos. Uma gama de produtos bem caseiros, sem conservantes, rapaduras de melado. Algumas pessoas só falam em alemão ou gostam do atendimento feito no idioma.

Mensalmente ela serve um rodízio de pizzas, porém sempre que um grupo fechado solicita, aceita a reserva.

Lançando um olhar sobre Travesseiro, percebe que a cidade está bonita, bem arborizada, com casas modernas e que há muito capricho por parte dos moradores. “As pessoas estão mais preocupadas com a saúde, inclusive pessoas de mais idade, frequentam a academia. Antes só trabalhavam. O município está de parabéns em se tratando de saúde e fornecimento de remédios. Na contrapartida, Joana percebe que o número de moradores quase não aumenta. “Muitos jovens buscam oportunidades fora, indo embora por não haver trabalho em sua área. Algumas poucas famílias e pessoas, até de outros estados, vêm morar no município, atraídas pela qualidade de vida e sossego, sem importar-se em ganhar o básico para viver, para custear moradia e alimentação, sem nenhuma perspectiva de crescimento.

Penso que deveria haver uma renovação. Pessoas jovens ou mesmo sem envolvimento político anterior e com uma nova visão de negócios poderiam atrair novos moradores e empreendedores. Da mesma forma, temos mão de obra qualificada e muita gente que buscou conhecimento em áreas específicas, poderiam colocá-la em prática”.

Como travesseirense, tem seus sonhos. Hoje tem casa própria mas quer ir além. Adquiriu um terreno, onde futuramente pretende instalar a sua empresa, tudo dentro do seu tempo, com muito planejamento. Joana diz gostar muito da cidade onde vive e ama o que faz.

Por Alan Dick