Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 02 de Julho de 2020

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Polícia

“Estou viva por Deus”

, 6 de março de 2020 às 11h25

No fim da manhã de segunda-feira, dia 2, Iasmine Graff, 26 anos, moradora de São Caetano, Arroio do Meio, voltava do trabalho, na loja O Boticário, no Centro, para ir almoçar em casa. Ela seguia com sua motoneta na ERS-130 em direção ao bairro, quando teve a frente obstruída por um caminhão de ração de quatro eixos. O condutor de caminhão vinha no sentido contrário e pretendia ingressar na Hellmutt Kuhn, no Distrito Industrial. Conforme relatos ele não viu a motoneta que vinha atrás de outro caminhão que seguia no sentido Arroio do Meio/Encantado.

A jovem ficou presa entre as rodas do caminhão. O capacete chegou a quebrar com o impacto. Sem ar, gritou e se debateu, para que pedissem para o caminhoneiro dar uma ré, possibilitando que ela tirasse a cabeça. “Por instantes, tive a sensação de que não iria resistir. Sorte que não tive nenhuma hemorragia. Analisando as circunstâncias só estou viva por Deus. A ambulância levou mais de uma hora para o atendimento”, revela.

Iasmine fraturou a bacia e teve diversas escoriação. Está em casa desde terça-feira e terá que enfrentar uma recuperação lenta de aproximadamente quatro meses.

OUTROS ACIDENTES – Também na segunda-feira, ao meio-dia, a BM registrou um acidente entre uma CG-150 e uma pick-up Montana na rua do Alambique. O motoqueiro de 20 anos, morador do bairro Novo Horizonte, precisou ser hospitalizado.

ABIGEATO EM DONA RITA – Entre a noite de sábado, dia 29 e madrugada de domingo, dia 1º, ocorreu o abigeato de um cordeiro na divisa de Dona Rita com Arroio Grande, na propriedade da família Linck. Os moradores perceberam a falta do animal no início da manhã e alguns vestígios de sangue no galpão. Revelam que havia outras ovelhas maiores para o abate de carne e o animal escolhido era um filhote da raça texel que não estava castrado, que seria utilizado para ser o reprodutor, não sendo ideal para o consumo. Suspeitam, de que possa ter sido levado para outra propriedade de ovinos e que o sangue deixado no local pode ser de outro animal; ou ainda que foi levado por um andarilho, que perguntou por ovelhas nas vésperas e escolheu o menor por ser mais fácil de carregar, entre outras suspeitas. Este é o segundo abigeato registrado na propriedade em 14 meses. Na outra ocasião também ocorreu abigeato de um reprodutor da mesma raça. O caso é investigado pela Polícia Civil.

Por Alan Dick