Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 05 de Agosto de 2020

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Em Outras Palavras

Caixas de sapato e de camisa

10 de janeiro de 2020 às 14h51

Quando minha mãe faleceu, há três anos, entre as dolorosas obrigações desta partida constava organizar e dar destino aos objetos de uso pessoal da dona Gerti Jasper. Roupas e calçados foram doados. Bolsas e malas continuam guardadas e todo o resto – talheres, copos, móveis, estofados, aparelhos de ar condicionado, panelas, chaleiras e os demais itens – foram colocados à venda com o espaçoso apartamento. Venda do tipo “de porteira fechada”, ou seja: trata-se de um imóvel mobiliado e equipado ainda à espera de interessados.

Na separação, o momento particularmente doloroso foi a partilha das fotos. Eram várias caixas de camisa e de calçados, atulhadas de imagens de aniversários, de parentes, enchentes, veraneios à beira mar de Tramandaí, da nossa infância, casamentos.  Tudo estava no armário sob o aparelho de televisão analógico desativado pela era digital.

Manusear fotos coloridas e em preto e branco causaram um misto de nostalgia, saudade e dor. Ao partir, com 83 anos, dona Gerti levou reminiscências de uma família desdobrada em várias outras. Guerreira, perdeu os pais, o marido (aos 52 anos) e o filho (33 anos) em breve período de tempo.

As armadilhas da vida, porém, não tiraram o bom humor de repetidas piadas, recheadas de expressões picantes numa linguagem de “alemão sapato de pau”. Com sua mãe – a minha avó, Wilma Kirst – recordava personagens caricatos que povoaram o cotidiano árduo vivido no bairro Bela Vista.

Sou muito grato às caixas de sapato e de camisas      

Depois de duas horas bisbilhotando as recordações saídas do túnel do tempo me vi sorridente, para a surpresa de meus filhos. As caixas de papelão, que originalmente abrigaram roupas e calçados, resgataram uma vida repleta de inspiração para não esmorecer no primeiro tropeço.

Jamais se tirou tanta foto como atualmente, mas é raro buscar os álbuns digitais. Muitas imagens ficarão para sempre no esquecimento, tragadas pela onda consumista do imediatismo e nos arquivos de computadores e celulares. Na minha infância ver fotos era um ritual que marcava um “carimbo na alma” com o DNA dos antepassados. Depois do almoço dominical, rir e se emocionar com os “instantâneos” eternizados em monóculos e cópias desbotadas era uma tradição que unia famílias, aproximava gerações e nos transformava, ainda crianças, em membros relevantes na cadeia doméstica.

Sou muito grato às caixas de sapato e de camisas. Elas acolheram e protegeram minha história. Preservaram minhas raízes e me ajudaram a compreender quem sou e de onde vim.

Por Alan Dick