Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 09 de Dezembro de 2019

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Municípios

Câmara concede Título de Cidadão e Cidadã Arroio-Meense ao Dr. Cláudio Grehs e Irmã Praxedis

, 22 de novembro de 2019 às 11h50

A sessão ordinária da Câmara de Vereadores de quarta-feira, dia 20, ficou marcada pelas homenagens de títulos de cidadãos arroio-meenses, ao doutor Cláudio Adolfo Grehs e a irmã Praxedis Marianne Bernardine Schulze Sutthoff.

Após a Sessão Ordinária o Poder Legislativo realizou Sessão Solene para entrega de Título de Cidadão e Cidadã Arroio-Meense ao doutor Cláudio Adolfo Grehs e a irmã Praxedis, Marianne Bernardine Schulze Sutthoff, aprovados na sessão de 16 de outubro – em reconhecimento aos relevantes serviços prestados ao município de Arroio do Meio. O ato contou a participação do prefeito Klaus Werner Schnack, vice Eluise Hammes, além de representantes do Hospital São José, das Irmãs da Divina Providência, de entidades de classe, familiares e amigos dos homenageados, e comunidade em geral.

Schnak destacou que a Administração se sente horada em participar desse momento, por pessoas que tanto fizeram pela saúde e educação do município. “Cuidar das pessoas é nosso grande desafio. Ainda mais quando o objetivo é prestar um serviço que traga alegria a cada família. A homenagem é apenas um pequeno reconhecimento e retribuição por abrirem mão dos círculos de convívio da infância e juventude e se dedicarem ao nosso município ao longo dos anos. Sabemos que muitos outros cidadãos mereceriam, mas a distinção está sendo concedida a duas pessoas que fizeram muito bem seu papel”.

Adiles Meyer acrescentou os projetos sociais e humanitários desenvolvidos por ambos e o bom acolhimento recebido pela população arroio-meense.


Irmã Praxedis – Marianne Bernardine Schulze Sutthoff

A primeira a receber o título foi, Marianne Bernardine Schulze Sutthoff, a irmã Praxedis, aos 95 anos de idade. Nascida na Alemanha, a irmã da Divina Providência está no Brasil há 69 anos, 30 deles em Arroio do Meio, onde atuou no Colégio Bom Jesus São Miguel e no Hospital São José. Desde 2011, a irmã se encontra na comunidade do Lar Divina Providência, em Santa Clara do Sul. Foi considerada pela Casa Legislativa uma mulher que se dedicou à vida religiosa com muita fé e pela saúde das pessoas, em especial das mulheres.

Em seu discurso, ela salientou ser a única e última das 324 missionárias enviadas pela Alemanha em terras brasileiras. Além disso, mostrou sua satisfação pelos 30 anos de atuação em Arroio do Meio, louvor e gratidão a todos que ajudaram a desenvolver a comunidade com esforço e dedicação, em especial gestores, entidades, igrejas, escolas, Colégio São Miguel e Hospital São José. “Todos os cidadãos merecem nossos respeito e aplausos”. Segundo ela, não é o desejo que dá sentido à vida e sim a gratidão. “Agradeço muito o convívio que tive com todos”.

Praxedis, viveu mais tempo em Arroio do Meio, que na sua terra natal, região da Westfália, de onde saiu aos 26 anos. Lembrou da perseguição dos nazistas aos cristãos, do país transformado em campo de batalha, de sua atuação na Cruz Vermelha e do noviciado, onde metade da Casa Provincial estava destruída, o que motivou a transferência do Conselho Geral para o Brasil. “Foram três semanas no mar. Deixei a terra dos carvalhos milenares para chegar à terra das palmeiras elegantes, flexíveis e resistentes. Como missionária cheguei ao Brasil, para anunciar o reino de Deus, ver e compartilhar alegrias da fé, ser testemunha do amor de Deus e esperança cristã, tendo sempre como Jesus Cristo como centro e vivente horizonte da minha vida”.

Agradeceu familiares, amigos, a paróquia e a congregação, em especial a Alemanha pelo envio e o Brasil pela boa recepção. “Contem com a minha prece. Muito obrigada”.


Dr. Cláudio Adolfo Grehs

Na sequência, o homenageado foi o médico Cláudio Adolfo Grehs, diplomado em medicina desde dezembro de 1969. Ele fixou residência em Arroio do Meio em meados de 1972, onde exerce suas atividades até hoje, assim como nos municípios de Travesseiro, Capitão e Pouso Novo. Grehs foi diretor clínico do Hospital São José por três mandatos. Além disso, é sócio-fundador da 1ª Cooperativa Médica do Alto Taquari – Unimed. Atualmente ele segue com suas atividades, dividindo seu consultório com familiares da área da saúde e advocacia. O médico também é vice-diretor clínico do Hospital São José, que tem como diretor o seu filho Cláudio Grehs Filho.

A presidente Adiles Meyer, que nos últimos anos teve convívio quase diário com ele no Posto de Saúde Central, destacou sua personalidade, coração e zelo pela família.

Em seu pronunciamento, Grehs agradeceu, se dizendo profundamente honrado e abençoado, sendo esse um dos momentos mais marcantes de sua trajetória, às vésperas de alcançar a jornada de 50 anos como médico. “Ser cidadão dá direito à vida, liberdade e igualdade, participar dos destinos da sociedade. Estudei muito, viajei muito. Trabalhava dioturnamente atravessando rios e arroios, sempre impulsionado por novos desafios numa jornada peculiar e voltada ao bem-estar do próximo. Trabalhar pela cidadania e solidariedade, fazendo o bem não tem preço”.


HISTÓRICO

Há quase 50 anos em Arroio do Meio

Dr. Cláudio Adolfo Grehs, diplomado em Medicina dia 19 de dezembro de 1969, pela Faculdade Federal de Medicina de Pelotas. Após estágios em Porto Alegre, hospitais do GHC, veio para Marques de Souza, onde trabalhou durante parte de 1970 e 1971. Mudou-se em definitivo para Arroio do Meio, em meados de 1971, e abriu o consultório em 1972, no mesmo endereço onde encontra-se até hoje, exercendo a medicina de maneira pura e inexorável, dentro das comunidades de Arroio do Meio, Travesseiro, Capitão e Pouso Novo.

Ao chegar em Arroio do Meio, foi logo designado como médico chefe da Unidade Sanitária local, tendo exercido a função por longos anos. Neste período foi diretor clínico do Hospital São José por três mandatos. Na década de 1970, foi sócio fundador da primeira cooperativa médica do Alto Taquari, Unimed, hoje com mais de 700 médicos cooperados, atuando em 59 municípios.

Na década de 1980, graças à amizade pessoal com o governador do estado, Dr. Jair Soares, conseguiu ir a Brasília, receber um aparelho de raio X e um elevador que funciona até hoje com grande utilidade ao hospital.

Desde que assumiu a chefia do posto de saúde não se conformava com as péssimas condições dos postos. Culminou que, em 1977, graças ao seu empenho junto ao então secretário estadual da Saúde, Dr. Jair Soares, e com o prefeito Arnesto Dalpian, no mês de janeiro foi inaugurado com autoridades ligadas à saúde, o atual posto de saúde.

Dr. Cláudio sempre se pautou pelas melhorias na assistência do município, com a instalação, nos anos 2000, do plantão médico junto ao Hospital São José, do qual fez sobreaviso por muitos anos.

Seu modo de levar a vida, sempre voltado para o bem-estar da comunidade, persiste até hoje. Aos 76 anos e em pleno vigor das suas atividades, divide seu consultório com o filho e genro, também médicos e com o outro filho, advogado, no mesmo prédio. Por muitos anos atendia os pacientes em sua residência, pois necessitava atender a domicílio, durante madrugadas sem fim, muitas vezes acompanhando os doentes para o hospital. Dadas as dificuldades da época, os parâmetros hoje são outros, com abertura para médicos especialistas e a melhoria do arsenal hospitalar.

Hoje encontra-se novamente como vice-diretor clínico do Hospital São José, que tem como diretor, seu filho Cláudio Grehs Filho.


HISTÓRICO

Irmã Praxedes está no Brasil desde 1950

Irmã Praxedis, Marianne Bernadinne Schulze Sutthoff, nasceu no dia 17 de abril de 1924, em Westkirchen, Alemanha. É filha de Josef Schulze Sutthoff e Maria Schulze Zumloh.

Entrou na congregação das Irmãs da Divina Providência, em Münster, Alemanha, no dia 29 de março de 1946, logo após a II Guerra Mundial. Durante a Guerra, atuou na Cruz Vermelha, ajudando a recuperar soldados feridos.

Irmã Praxedis fez seu Noviciado na Alemanha e escolheu como lema de vida: “Por Cristo, com Cristo e em Cristo”. Preparou-se profissionalmente fazendo curso de costura, bordado, trabalhos manuais e artes domesticas. Dedicou-se na aprendizagem de harmônio, violão e flauta.

Em 1950, manifestou o desejo de ser missionária no Brasil e se preparou para a grande travessia. Com coragem e coração missionário deixou seu país de origem e passou a doar sua vida em terra de missão.

Em Rotterdam/Holanda, embarcou no transatlântico “Altair”, saindo no dia 10 de agosto de 1950. De lá seguiu para Florianópolis/SC, onde foi acolhida no Colégio Coração de Jesus, onde teve um período de adaptação e aprendizagem do idioma português. Iniciou o Curso Ginasial em Blumenau, no Colégio Sagrada Família e o concluiu no Colégio Coração de Jesus, de Florianópolis em 1955.

No dia 13 e março de 1956, fez sua naturalização brasileira, Assim, Irmã Praxedis tem duas nacionalidades: a alemã e brasileira. A partir de então, Irmã Praxedis passou a exercer sua missão em diversas Casas da Província do Imaculado Coração de Maria.

Em 1957, esteve no Colégio São Miguel de Arroio do Meio. De 1958 a 1976 coordenou a Escola Doméstica Divina Providência, em Teresópolis, Porto Alegre. Muitas alunas tiveram a oportunidade de aprimorar seus conhecimentos na arte de preparar alimentos e servir bem.

Durante estes anos procurou aperfeiçoar seus conhecimentos em diversas áreas e frequentou vários cursos na PUC/RS, entre os quais: Doutrina Social da Igreja, Teologia Moral, Música Sacra e Mulher na Igreja e na Sociedade.

Depois retornou para o Colégio São Miguel (Bom Jesus), em Arroio do Meio, onde exerceu o Magistério e atuou na Pastoral da Paróquia, de 1976 a 1978. De 1978 a 1979 esteve no Colégio Santa Rosa de Lima, de Lages/SC.

Retornando ao Rio Grande do Sul, foi transferida para o Colégio Nossa Senhora Aparecida, em Venâncio Aires, onde esteve de 1979 a 1984. Depois, novamente, foi convidada a exercer sua missão no Colégio São Miguel, isto de 1984 a 2001. A seguir esteve na Comunidade do Hospital São José, de Arroio do Meio, de 2001 a 2011.

O local onde Irmã Praxedis exerceu sua missão por mais tempo foi em Arroio do Meio. Dentro de suas atividades pastorais, ela sempre deu um apoio muito grande ao Apostolado da Oração, no qual marcou presença e deu sua contribuição com reflexões bem substanciosas.

Todos os anos que lá esteve, assumiu também a Catequese para Adultos, especialmente aos casais que se preparavam para o casamento e um dos cônjuges queria passar para Igreja Católica.

Irmã Praxedis frequentemente era convidada para falar aos alunos sobre a II Guerra Mundial. Como ela viveu este período de forma muito intensa ainda na Alemanha, essa história lhe brotava espontaneamente e cativava os ouvintes. Fazia isto de forma muito didática e vivencial. Na Alemanha várias casas de religiosas foram atingidas pelos bombardeios e muitas Irmãs perderam sua vida em consequência.

Desde dezembro de 2011, Irmã Praxedis se encontra na Comunidade do Lar Divina Providência, em Santa Clara do Sul.

 

Por Alan Dick