Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 22 de Novembro de 2019

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Política

MDB tem convenção neste sábado

, 23 de agosto de 2019 às 8h48

O Movimento Democrático Brasileiro (MDB) de Arroio do Meio, terá convenção e eleição do diretório neste sábado, dia 24, entre as 8h e 11h na Câmara de Vereadores. A presidente do poder Legislativo, Adiles Meyer é cotada para a presidência da sigla. Se seu nome for confirmado será a primeira mulher eleita para presidir o MDB arroio-meense. No início dos anos 2000, a então vice-presidente Lúcia Schmidt Horn, assumiu a presidência do partido, após licenciamento/afastamento do presidente Nestor Dalpian.

O atual presidente, Paulo Volk, 43 anos, residente em Rui Barbosa, vereador pelo 4º mandato, destaca que, entre 2017 e 2018, a militância local esforçou-se principalmente em torno das campanhas de Sidnei Eckert para AL/RS e a reeleição de José Ivo Sartori para o Governo Estadual, entre diversos outros candidatos também ao Congresso Nacional e Senado. Apesar das derrotas, a avaliação do desempenho é positiva. “O Sartori fez bons encaminhamentos em seu governo, mas o maior problema enfrentado é a crise financeira do RS. E mesmo perdendo a eleição, MDB está dando exemplo, sendo favorável à medidas e projetos importantes. Em vez de dividir, é preciso somar”, explica.

Em âmbito federal, Volk revela que nunca existiu uma unanimidade dentro do partido, que convive com diferentes correntes entre sulistas, nordestinas e do sudeste, por exemplo. Além disso, salienta que a corrupção em Brasília acaba desgastando a imagem dos políticos como um todo. Pondera que o presidente Jair Messias Bolsonaro, está conseguindo aprovar reformas importantes, assim como a retomada da governabilidade. “Ainda é cedo, esperamos mais, temos que dar confiança”, expõe.

No município, o partido costuma ser protagonista. Só não lançou candidato a prefeito nas duas vezes que foi vice do PP, em 2000 e 2004. E na atual administração do prefeito Klaus Werner Schnack, o MDB participa da gestão, que dá continuidade a muitos projetos consolidados, buscando inovação. Os seis vereadores na Câmara evidenciam a representatividade e união de forças. “Obviamente que existem divergências de opiniões, e ocorrem em todas as trocas de governo. Precisamos dar oportunidades para todos mostrarem suas formas de trabalhar. E entendemos que os diferentes pontos de vista num ambiente democrático solidificam decisões e soluções e fortalecem a unidade do partido para 2020. Há muitas obras e projetos em andamento. E a atual gestão de Schnack é bem centrada e organizada em torno de ideais, foco e esteio. Além disso a representatividade feminina da vice-prefeita Eluise Hammes é exponencial”, salienta.

Apesar do fim das coligações na proporcional, o MDB continua dialogando e próximo dos partidos que integram a ala situacionista – PT, DEM e PTB – e do próprio PSDB. Apesar da capilaridade do partido, que possui cerca de 600 filiados, Volk acredita que a renovação de líderes é o maior desafio. Além dos atuais vereadores, outros seis nomes devem estar entre possíveis candidatos ao Legislativo.

Com repasses mínimos do Fundo Partidário, a captação de recursos para a próxima campanha vai ficar restrita às exigências da lei eleitoral, doações e principalmente recursos próprios dos candidatos. “Será uma campanha com bastante diálogo com a comunidade e uso de redes sociais”, dimensiona.

Por daiane