Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 17 de Julho de 2019

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Especial

Ser mãe,uma experiência transformadora

, 12 de maio de 2019 às 8h30

No dia 14 de março, a mulher, filha, esposa e farmacêutica, Taís Mayolo ganhou mais uma atribuição. Talvez a mais nobre de todas: ser mãe. O nascimento do filho, Valentim Mayolo Eloi mudou sua vida. “É uma transformação. Você deixa de ser uma pessoa para se tornar outra. Na hora que nasce, que tu tem ele nos teus braços pela primeira vez é uma emoção muito forte, não tem como explicar. E cai a ficha de que tudo mudou”, declara.

Esta “ficha” a qual Taís se refere compreende um leque muito grande de situações. Vai desde as mudanças de rotina, que são enormes, até a responsabilidade para com o filho, o que envolve a educação para a vida. “A maternidade em si é um desafio. No início é 100% doação e, a longo prazo, o desafio é criar uma pessoa do bem, de caráter”.

Por mais que seja desafiadora, a farmacêutica, que sempre desejou ser mãe, recomenda a experiência. “Dá trabalho, é cansativo, mas vale a pena. É muito gratificante. É um amor incondicional. Filho transforma a gente, a forma como vemos o mundo, como pensamos. Transforma a gente numa pessoa melhor”, afirma, complementando que o nascimento também uniu muito mais a família.

Quando o bebê nasce, a mãe, especialmente do primeiro filho, como Taís, percebe que algumas situações são, na prática, muito diferentes do que a teoria ou das cenas que passam na tevê. A amamentação é uma delas. Depois de Valentim, Taís diz que para amentar é preciso ter muita força de vontade e paciência. “Não é aquela coisa que a gente vê na televisão. Na prática não é assim tão fácil, é dolorido nas primeiras semanas”. Por estas e outras barreiras a serem transpostas, que se faz tão necessário o apoio das pessoas mais próximas, especialmente o pai. “O Vinícius é muito parceiro nos cuidados com o Valentim. Por mais que ser mãe é algo muito bom, mexe muito com o nosso emocional. Por isso é muito importante ter esse apoio”.

Apesar de todas as transformações, há momentos muito bons também. Aos 31 anos, a mãe de Valentim é só sorrisos quando fala sobre o amor que sente pelo filho, as trocas que ocorrem entre eles e o aprendizado diário que não tem palavras para definir. É algo totalmente diferente do que já senti. E todo dia é diferente, um novo aprendizado”. E é neste clima de amor que ela aguarda pelo primeiro Dia das Mães. “Estou na expectativa de como será, mas certamente vai ser um dia muito especial”.

Por daiane