Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 12 de Agosto de 2020

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Agricultura

A hora do bom senso

1 de junho de 2018 às 9h24

A manifestação (greve ou protestos) dos caminhoneiros completa hoje (quarta-feira), dez dias, com um sentimento, neste momento, de constituir-se um movimento “fora de controle”, como avaliam entidades que no início eram solidárias e prestavam total apoio às reivindicações que não diziam respeito apenas à classe dos motoristas e proprietários de veículos de transporte. A população, de uma forma geral, estava apoiando a mobilização, enquanto reivindicatória.

Para embasar as considerações que pretendo fazer, na sequência, quero destacar uma Nota Oficial, tornada pública pela Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul – Fetag-RS, no dia de ontem, fazendo um forte apelo aos Sindicatos de Trabalhadores Rurais do Estado, para que retirem o apoio ao movimento. Segundo a Federação, há hoje 100 mil agricultores familiares gaúchos, produtores de leite, frango e suínos, além de hortifrutigranjeiros, sofrendo prejuízos sem precedentes.

A entidade sindical, no manifesto oficial, diz não poder se manter em uma mobilização, “onde trabalhador enfrenta trabalhador, porque no início todos tinham os mesmos objetivos e propósitos, uma vez que as reivindicações dos caminhoneiros eram também os pleitos dos agricultores. Os transportadores tiveram atendidas as principais pautas e agora os rumos tomados têm ingredientes de cunho ideológico-político”.

Destacaria, ainda, em relação à manifestação da Fetag, a observação feita pela entidade, de que a sua intenção era de oferecer uma orientação aos agricultores familiares para que todos procurassem ajudar a encontrar e buscar a normalidade da situação, em especial das indústrias, para que possam voltar às suas atividades normais, mantendo os empregos dos trabalhadores e absorver a produção agropecuária.

Entidades do Vale também se manifestam

Igualmente na terça-feira, a Associação dos Municípios do Vale do Taquari – Amvat, o Conselho de Desenvolvimento do Vale do Taquari – Codevat, o Consórcio Intermunicipal de Saúde do Vale do Taquari – Consisa, Emater, Colegiado do Desenvolvimento Territorial do Vale do Taquari – Codeter e Sindicatos de Trabalhadores Rurais, emitiram um Comunicado Oficial, chamando atenção para uma “Emergência Sanitária”, com a possibilidade de uma grande mortandade de animais – frangos e suínos, com a falta de alimento para os animais.

Segundo a manifestação das entidades, existem no Vale do Taquari e Serra, um total de 42 milhões de frangos, 960 mil suínos e uma produção diária de 950 mil litros de leite. Em torno de 3 milhões de frangos já estão sem alimento e restam poucas horas para a morte dos animais, não havendo logística nem estrutura para o descarte dessa quantidade de carcaças, “acarretando risco sanitário de grandes proporções para a saúde humana”.

Essas entidades manifestam “sua contrariedade com a manutenção dos bloqueios, em especial aos veículos transportadores de ração e insumos para animais, solicitando aos organizadores que desbloqueiem, imediatamente as vias interrompidas, permitindo a passagem ou saída dos veículos”.

Afirmam, por fim, “inconformidade com as perdas irreversíveis já ocorridas, que prejudicam milhares de famílias da região”.

Por daiane