Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 22 de Junho de 2018

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Carta Branca

A cigarra e a formiga

8 de junho de 2018 às 8h58

Todo mundo conhece a história da cigarra e da formiga.

A formiga se matava no trabalho. Trabalhava dia e noite, noite e dia. Não tomava folga nem pra um gole de refresco. Com ela era pau e pau o tempo todo. Enquanto isso, a cigarra, sua vizinha, levava a vida numa boa. De longe era possível ouvir a cantoria da cigarra.

Mas aí chegou o inverno. Quando chegou o inverno com a neve e o vento frio, a formiga recolheu-se ao ninho quente. O mesmo ninho que ela enchera de comida nos meses de trabalho. A coitada da cigarra, por sua vez, se viu sem pai nem mãe. Desesperada pelo frio e pela fome, não teve outro remédio que bater na casa da formiga. Toc-toc-toc. A formiga abriu a porta e viu a cigarra encolhidinha ali na beira do telhado. Perguntou-lhe o que queria. Alguma coisa que comer, um casaquinho, meias para os pés gelados – a cigarra respondeu. A formiga inspecionou a cigarra do alto a baixo. A vizinha estava mesmo nos frangalhos. Não dava para alguém estar pior. Aí, para mostrar com quantos paus se faz uma canoa, formulou uma pergunta, assim como quem não quer nada, embora conhecesse muito bem a resposta que viria. A formiga perguntou:

- E o que tu fizeste durante o tempo bom, quando era possível trabalhar e guardar para o inverno?

- Eu cantava, disse a cigarra.

- Cantava? Ah! Can-ta-va… – a formiga repetiu pausadamente o que dizia a outra. Daí falou cheia de fúria. Jogou na cara da mendiga uma sentença que saiu com a força de um chicote:

- Tu cantavas no verão, pois agora dança! E bateu com a porta no nariz da cigarra tiritante.

 

*******************

Em geral esta história é contada para exaltar as virtudes do trabalho e o valor da previdência. Sob um certo ângulo é isto mesmo: a formiga se dá bem, por que trabalha e pensa no futuro. Ela é quem ri por último.

Mas, olhando de outro lado, dá uma cisma. Afinal, se a formiga estivesse mesmo satisfeita com a opção que faz, por que não seria mais generosa? Por que esse prazer de humilhar a sua vizinha, quando a vê já humilhada pelo inverno e pela fome? Se não quisesse se vingar em cima da cigarra, quer dizer, se não quisesse se vingar de ter passado o verão inteiro sem um pingo de alegria, por que a formiga bateria com tanta força a porta? Por que esse afã de lançar a porta e o ridículo nas costas da cigarra desgraçada?

Por daiane

Por Ivete Kist

ivetekist@hotmail.com

    Nada relacionado