Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 24 de Setembro de 2018

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Carta Branca

Nossa fragilidade

9 de março de 2018 às 9h25

As dificuldades que as mulheres enfrentam simplesmente pelo fato de serem mulheres volta à evidência neste início de março. É bom que seja assim. Tem colaborado para o avanço que está aí. Ninguém mais contesta a dignidade igual de homens e mulheres. O que falta é garantir mais oportunidades para elas e facilitar-lhes a vida cotidiana.

Não sou a favor de discursos irados. Penso que a submissão das mulheres é principalmente resultado de ignorância. Por muito tempo, as pessoas sequer se davam conta de que havia desequilíbrios. Não estava claro que a situação prejudicava a sociedade em geral, com perdas para todos os lados.

É por isto que gosto de um poema de Vinícius de Moraes, intitulado “O desespero da piedade”. Ali se pede piedade para as pessoas, independentemente do gênero. Aceitam-se a fragilidade e o erro como fatos da vida. Copio abaixo algumas estrofes do poema e convido você a localizar o texto integral.

O desespero da piedade

Vinícius de Moraes

Meu Senhor, tende piedade dos que andam de bonde

E sonham no longo percurso com automóveis, apartamentos…

Mas tende piedade também dos que andam de automóvel

Quando enfrentam a cidade movediça de sonâmbulos na direção.

 

Não esqueçais também em vossa piedade os pobres que enriqueceram

E para quem o suicídio ainda é a mais doce solução

Mas tende realmente piedade dos ricos que empobreceram

E tornam-se heroicos e à santa pobreza dão um ar de grandeza.

 

E no longo capítulo das mulheres, Senhor, tende piedade das mulheres

Castigai minha alma, mas tende piedade das mulheres

Enlouquecei meu espírito, mas tende piedade das mulheres!

Ulcerai minha carne, mas tende piedade das mulheres

 

Tende piedade, Senhor, das mulheres chamadas vagabundas

Que são desgraçadas e são exploradas e são infecundas

Mas que vendem barato muito instante de esquecimento

E em paga o homem mata com a navalha, com o fogo, com veneno.

 

Tende piedade, Senhor, de todas as mulheres

Que ninguém mais merece tanto amor e amizade

Que ninguém mais deseja tanto poesia e sinceridade

Que ninguém mais precisa tanto de alegria e serenidade.

 

Tende piedade, Senhor, das santas mulheres,

Dos meninos velhos, dos homens humilhados – sede, enfim,

Piedoso com todos, que tudo merece piedade

E se piedade vos sobrar, Senhor, tende piedade de mim!

Por daiane