Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 21 de Fevereiro de 2020

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Apartes

Escola, família e comunidade

16 de fevereiro de 2018 às 6h00

Em Arroio do Meio, o conceito de trabalhar a unidade, o envolvimento da família e da comunidade na escola, continua sendo um dos caminhos para obter uma educação de qualidade. Como instrumento e base de orientação e aplicação de ações, estratégias, programas, a secretaria de Educação e Cultura tem seu Plano Municipal de Educação que segundo as professoras, Marlise Führ (coordenadora pedagógica) e Mara Betina Forneck (secretária de Educação) garante que a educação seja permanentemente monitorada, avaliada de acordo com as diferentes realidades de cada escola. O Plano, segundo as professoras, permite que haja uma gestão mais eficaz levando em conta a qualidade do ensino, inclusive diante da falta ou insuficientes recursos financeiros destinados pelo Estado e União.

Enquanto os alunos retornam para a sala de aula na próxima quarta-feira, o grande encontro para os professores será na segunda-feira à noite com palestra da educadora Márcia Carvalho. O evento será no salão da Associação Comercial e Industrial de Arroio do Meio e deve reunir em torno de 320 educadores da rede municipal e estadual de Arroio do Meio.

A rica cultura popular brasileira

Gosto de acompanhar pela televisão os desfiles de Carnaval do Rio de Janeiro e São Paulo e a cobertura que a televisão faz de diferentes carnavais do Brasil passando por centros como Salvador, mas também de cidades pequenas deste imenso país. A escolha dos temas, a riqueza de alegorias, sons, engenharias, uso de tecnologia, fantasias, são de uma criatividade impressionante e traduzem este espírito alegre e empreendedor do brasileiro. Não me incluo entre os que consideram o Carnaval um desperdício e uma festa sem valor. O evento envolve uma grande cadeia produtiva que valoriza músicos, designers, engenheiros, costureiros, artistas, professores, historiadores, arquitetos, sem falar do incremento ao turismo que movimenta bares, hotéis, restaurantes.

Em relação ao Carnaval deste ano, em função da crise, teve menos luxo, mas a criatividade e ousadia superaram qualquer falta de dinheiro. Os temas traduziram as dificuldades pelas quais passa o país, de um modo especial o Rio de Janeiro, na questão ética com críticas contundentes aos corruptos e políticos que deixam de cumprir com seu papel, deixando saúde, educação e segurança à míngua. A conquista do título da Beija-Flor como a grande campeã, bem como da vice, Tuiuti, foram a glória, porque deram voz ao grito do povo, abandonado pelo Estado. É um carnaval que vai fazer história e marcar época.

O reconhecimento e necessidade de resgatar valores de carnavais de outrora, com mais alegria, esteve presente na proliferação de blocos carnavalescos, fieis à cultura regional e comunitária. Entendo que esta manifestação da maior festa cultural do país na sua pluralidade mostra que estamos em transformação, à procura de uma nova ordem social. Está muito evidente que a sociedade sabe o que é certo e errado. Ela está dando um basta, ainda que seja de uma forma tão gloriosa e digna, como fez através da expressão da arte. A linguagem presente nos desfiles de Carnaval dá a dimensão da grandeza do povo brasileiro.

Assaltos e violência – Paralelamente, infelizmente o Rio de Janeiro continua sendo cenário de gangues e crime organizado. Confrontos entre Polícia e bandidos têm tirado a vida de muita gente. Os números superam o de muitas guerras. Turistas do Brasil e do exterior que foram ao Rio ou a outras cidades foram vítimas de arrastões e assaltos. E, infelizmente, a violência não está presente apenas nos grandes centros.

Aqui na região não é diferente. Violência familiar, mortes de jovens e adolescentes, vítimas do trânsito ou de drogas, crimes contra o patrimônio privado e público. Arrastões em grandes centros e em menores. Proporcionalmente qual o peso? Enfim, a segurança pública passa pela responsabilidade do Estado. E a falta de recursos técnicos, humanos e valorização das forças policiais, principalmente da Polícia Militar e Civil, está entre as causas.

Por daiane