Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 23 de Fevereiro de 2020

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Geral

Veranistas de Linha Perau e Forqueta aguardam reparo em pinguela

, 17 de dezembro de 2017 às 10h00

No verão, pontes, pinguelas, estivas e pontilhões viram uma atração para veranistas, pois são locais que aproximam as pessoas dos recursos hídricos, proporcionam vistas panorâmicas e uma brisa que ajuda a refrescar dias de calor intenso. Mas estes atrativos requerem uma atenção especial quanto à manutenção para garantir a segurança, especialmente em decorrência da ação climática durante as chuvas do inverno e primavera, e atenção e prudência por parte dos usuários.

Na microrregião há uma diversidade de estruturas, tanto em espaços públicos quanto privados. Alguns são de uso comum da população, pois interligam pontos inacessíveis geograficamente, agilizando e encurtando deslocamentos de forma eficiente, tornando-se de bastante importância na rotina dos trabalhadores.

Em Arroio do Meio, município banhado pelos arroios Grande, do Meio, Palmas, Jararaca e Forqueta e seus afluentes, além do rio Taquari, existem 19 pontilhões (estrutura com pranchões de madeira) em vias públicas. Geralmente a secretaria de Obras ou Agricultura visualiza a precariedade ou é notificada por moradores, e então solicita uma vistoria da equipe de engenharia da Secretaria do Planejamento, que projeta o reparo ou reconstrução. Até 2019 a meta é mapear todos os pontos, incluindo canalizações e pontes, com localização via satélite, para melhorar a eficiência na manutenção preventiva e obras. Alguns locais, como o antigo pontilhão da Estrada Geral Forqueta Baixa estão recebendo uma galeria, relevando o fluxo de transporte de cargas.

Já a pinguela que liga o Camping do Erineu, no distrito de Forqueta, ao Camping do Germano, em Linha Perau, Marques de Souza, deve receber uma força tarefa com urgência. A reclamação de veranistas foi repercutida pelo vereador Marcelo Luís Schneider (PMDB/Arroio do Meio), na primeira sessão ordinária de dezembro.

Conforme o secretário de Obras, Paulo Roberto Heck, um dos cabos de aço do pé de apoio afrouxou e precisa ser esticado. As manivelas estão situadas em Linha Perau, sendo que em Forqueta os cabos foram chumbados no rochedo da encosta do arroio. O serviço necessita do uso de maquinário, pois a estrutura da pinguela é pesada. “Estamos aguardando uma posição do novo secretário de Agricultura de Marques de Souza, Roberto Kremer, que ainda está se inteirando no cargo. Se eles não conseguirem nos auxiliar, vamos fazer por conta, e futuras manutenções terão de ser feitas pelo município vizinho. Não podemos deixar a situação como está. Ao longo dos últimos anos Arroio do Meio sempre fornecia o material e Marques de Souza com sua equipe especializada realizava as manutenções”, repercutiu.

A outra pinguela pública de Arroio do Meio está situada nas imediações da Igreja de Pedra, também em Forqueta e dá acesso a localidades situadas na estrada geral paralela a BR-386. Em ambas a travessia com motocicleta é proibida, mas há condutores que desrespeitam a orientação e a fiscalização é deficiente. Já houve acidentes e veículos que despencaram para o leito do Forqueta. Já em Picada Arroio do Meio, a construção de corrimões na ponte da Estrada Geral já foi solicitada à engenharia da secretaria do Planejamento.

Cultura e mobilidade urbana

Travesseiro talvez seja o município onde as travessias a arroios e afluentes tenha a maior importância cultural e estratégica na mobilidade urbana. “Por isso todas as estruturas estão em condições satisfatórias”, revela o secretário de Obras, Paulo Cezar Ahne, que também passa pelas travessias mais de seis vezes por dia. Na Sede há pinguelas em duas das três estivas – uma situada na antiga sede do Juventude e outra que liga a Av. 20 de Março a rua Daniel Ahne, bastante utilizada pelos trabalhadores na rotina e liberadas para o fluxo de motocicletas – além de uma que dá acesso a uma residência em São Miguel, e outra que liga a localidade de Três Saltos (Comercial Rockenbach) à Linha Bastos/BR-386, Marques de Souza (antigo Camping Palm Hepp), onde motos são proibidas.

E ao contrário de Arroio do Meio, que tem pontilhões de madeira inclusive no Centro, Travesseiro substituiu todos por pontes de concreto, com exceção de uma propriedade em Barra do Fão.

A aposentada Adiles Both, moradora da Sede, e faxineira em Arroio do Meio, usa a pinguela regularmente há 18 anos para ir da área residencial para a área comercial, industrial e de serviços da cidade. Sem a pinguela, cada deslocamento a pé levaria 25 minutos e 2km a mais, só na ida. “Ainda bem que a refizeram após a enxurrada de janeiro de 2010. Todos os trabalhadores usam as pinguelas que além de usuais, proporcionam uma bela paisagem na rotina”, reitera.

Em Forquetinha as pinguelas também fazem parte da rotina. Estão situadas desde Arroio Alegre, Bauereck e Vila Storck em direção ao Centro, interligando localidades, áreas públicas e privadas. O único pontilhão da cidade está situado no Centro, que foi construído pela Defesa Civil após a enxurrada de 2010.

As duas estivas construídas entre 2006 e 2007, foram desativadas. Em uma delas parte do concreto foi levado pelas águas e na outro o leito do arroio mudou de lugar.

Investimentos em segurança

O secretário de Obras de Pouso Novo, Marcelo Passaia, projeta a construção de 16 degraus e corrimões na pinguela de Forqueta Alta que dá acesso a Coqueiro Baixo. A medida é para melhorar a segurança. Outra pinguela liga a comunidade de Canhada Funda e Bela Vista do Fão, que recentemente passou por manutenção e é possível realizar a travessia com moto. Já no interior todos os pontilhões em Canhada Funda, Dudulha, Barra da Dudulha, Passo do Fão à Progresso, receberam estrutura com tubos e concreto armado.

Em Capitão a maioria das estruturas suspensas está em propriedades particulares, com exceção dos dois pontilhões que dão acesso à Gruta Nossa Senhora de Lourdes, sendo que um recebeu bueiro de um metro e meio recentemente. O secretário de Obras, Leucir Fachini, explica que a geografia do município na parte alta, não exige tantas intervenções estruturais.

VISTORIA DEVE OCORRER AINDA HOJE

O coordenador da secretaria de Agricultura de Marques de Souza, Roberto Kremer, afirma que o servidor especializado na manutenção de pinguelas pretende realizar uma vistoria ainda hoje em Linha Perau, na presença do secretário de Obras de Arroio do Meio, Paulo Roberto Heck, para uma posterior solução. O município ainda possui três pinguelas em Tamanduá (no Centro Ecológico Pedra D’Mim, na Olaria Rabaioli e nas imediações da propriedade Rose Daime), em Bela Vista do Fão (em direção a Canhada Funda, Pouso Novo), e outras duas sobre o arroio Forqueta (Palmm Hepp em Linha Bastos, e na propriedade de Ary Simonis, em Linha Perau), todas em boas condições. As estivas estão situadas em Picada Flor e Tamanduá (Olaria Rabaioli), em boas condições de acesso. Não há pontilhões de madeira.

Por daiane

Secretário de Obras de Arroio do Meio, Paulo Roberto Heck, garante que força tarefa para manutenção da pinguela deve ocorrer com urgência