Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 16 de Dezembro de 2017

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Geral

Padres Fabrício e Felipe são transferidos para outras paróquias

, 3 de dezembro de 2017 às 10h00

A Diocese de Santa Cruz do Sul divulgou no domingo as transferências de padres da diocese. Com isso, os padres Felipe Bernardon, vigário na paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Arroio do Meio e Fabrício Niederle, pároco na Paróquia Nossa Senhora da Purificação, de Travesseiro e reitor do Seminário Sagrado Coração de Jesus serão transferidos. O padre Felipe vai atuar em Lajeado como vigário paroquial da Paróquia Santo Inácio, enquanto que o padre Fabrício passa a ser o diretor espiritual do Seminário Dom Alberto e integrante da Comunidade Presbiteral de Santa Cruz do Sul, sendo pároco da Paróquia Santo Antônio e Vigário paroquial das Paróquias Nossa Senhora da Imaculada Conceição, Espírito Santo e Região Pastoral.

Em substituição aos dois, foram transferidos os padres João Bernardo Limberger, que será pároco da Paróquia Nossa Senhora da Purificação, em Travesseiro; e auxiliar na Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Arroio do Meio e o padre Décio Weber, para atuar como vigário paroquial da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.

Tanto o padre Felipe como o padre Fabrício acolheram bem a transferência. Fabrício diz que foram quase três anos residindo no seminário e atuando em Arroio do Meio e desde o ano passado também em Travesseiro. “É sempre um aprendizado. Em seis anos como padre já vivi várias experiências. Se conhece novas pessoas, outras culturas, outras comunidades. A transferência faz parte da vida do padre”, destaca, salientando que estava bem adaptado às comunidades e estava próximo dos pais que residem em Lajeado e de tios que moram em Arroio do Meio.

Em Santa Cruz do Sul o padre Fabrício vai ajudar a dar início a uma proposta nova, na formação da Comunidade Presbiteral de Santa Cruz do Sul, composta por quatro paróquias. Afirma que gostou de trabalhar em Arroio do Meio e Travesseiro, foi bem acolhido e conheceu muitas pessoas. Mesmo residindo sozinho no seminário disse que nunca se sentiu sozinho, pois sempre há movimento, com pessoas da comunidade e de grupos que usam o espaço para formação. Como um dos vários feitos na sua passagem pelo seminário fica a revitalização do campo de futebol, que há pouco meses voltou a ser utilizado por atletas.

O padre Felipe considera o período que atuou em Arroio do Meio, dois anos, como um tempo de graça e bênção. Chegou para atuar no município ainda como diácono, no início de 2016. “Nesta missão como diácono, o bispo Dom Canísio me pediu para ajudar a evangelizar a juventude de Arroio do Meio. Nesta caminhada com os jovens ouvi vários testemunhos, mais dois testemunhos me fizeram refletir; um jovem disse: padre eu quero criar um grupo de jovens aqui na comunidade, e o outro jovem que disse: padre eu me sinto abandonado pela Igreja. Disse para esse jovem, a Igreja pode ter esquecido de você, mas Deus Pai nunca se esquece dos seus filhos”, conta.

Chegou no Ano do Centenário da Paróquia e no dia 10 de junho de 2016, foi ordenado padre na Gruta Nossa Senhora de Lourdes de Anta Gorda, na noite mais fria do ano. “Agradeço por exercer o meu ministério sacerdotal nesta paróquia. Como foi bom ser padre com vocês amados irmãos e irmãs. Sempre falo que a nova família do padre é a comunidade, a palavra padre significa pai, um pai espiritual, e neste tempo como padre aqui em Arroio do Meio tive muitos filhos e filhas espirituais. Tive alegria de encontrar muitas mães, pais, crianças, adultos, jovens espirituais que rezam por mim e por mais vocações a vida religiosa e a vida sacerdotal”.

Ao encerrar os trabalhos pastorais em Arroio do Meio deixa agradecimentos ao padre Alfonso e aos demais padres da Comarca e a todos os irmãos e irmãs na fé. “Foi muito bom estar com vocês. Em especial aos coroinhas, aos assessores, aos jovens, aos assessores dos Grupos de Jovens, aos catequistas do Batismo, as irmãs da Divina providência, as lideranças, aos funcionários da casa paroquial. Peço para que continuem esses trabalhos os assessores, sempre mostrando às crianças as coisas de Deus, aos coroinhas continuem com essa coragem e amor que vocês possuem por Cristo e pela Igreja. Aos assessores para que continuem sendo um sinal de Cristo na vida dos jovens, e aos jovens coragem para evangelizar e amar fraternalmente os demais jovens. O meu muito obrigado a todos, e as bênçãos de Deus e da Mãe do Perpétuo Socorro”.

Quanto à transferência o jovem padre diz que a recebeu com tranquilidade, pois já trabalhou em Lajeado como seminarista, foi ordenado diácono na paróquia Santo Inácio e conhece as comunidades, os padres e as pessoas. “Sendo a primeira transferência como padre, fico triste por deixar os amigos e amigas que fiz durante esse tempo em Arroio do Meio. Ninguém gosta de ficar longe dos amigos e familiares, mas o Senhor Jesus nos dá força para continuar a caminhada como missionários Dele. Com essa transferência estou aprendendo que devo conduzir as pessoas à Cristo, que devo ajudar as pessoas a lançarem as suas raízes em Deus. O padre somente é um instrumento, um canal da graça de Deus. Aprendi muito com vocês. Levo comigo muito de vocês e deixo um pouco de mim. Um grande abraço meus amigos e amigas na fé. O meu muito obrigado, povo querido da Pérola do Vale”.

Os padres Felipe e Fabrício atuam nas suas paróquias até o final de dezembro.

Por daiane