Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 20 de Novembro de 2017

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Geral

Moradores de Munique se integram com descendentes de imigrantes em Forquetinha

, 11 de novembro de 2017 às 9h30

Entre os visitantes da V Forquetinha Expofest, realizada no último final de semana, estavam os casais de Munique, Peter Müller, 59 anos (fotógrafo e editor gráfico) e Irmi Müller, 60 anos (assistente social), Michael Hipp, 59 anos (técnico em telecomunicações aposentado) e a brasileira Gisela Bünecker, 57 anos (enfermeira), que mora na Alemanha há 30 anos.

Natural de São Caetano, Arroio do Meio, Gisela conheceu seu marido Michael há 17 anos, que é amigo de Peter há 51 anos, desde o primário. Nas férias a arroio-meense tem o costume de voltar ao Brasil, visitar amigos e parentes e conhecer pontos turísticos. Em Arroio do Meio, geralmente fica hospedada na residência de Flávio e Raquel Schwanbach.

Em Forquetinha tiveram a oportunidade de interagir com descendentes alemães. “Aqui temos a oportunidade de ter uma experiência nos moldes em que a Alemanha era na nossa infância. Éramos filhos de colonos, mas aquela Alemanha não existe mais. O desenvolvimento mudou a estrutura das cidades, e todos vivem extremamente ocupados. Até o lazer e hobbies são programados. Aqui as pessoas são muito honestas, respeitosas, cordiais e tem mais tempo para si e estar com a família”, revelam.

O encontro dos casais no Vale do Taquari foi programado durante um jantar regado a um bom vinho. Peter e Irmi estão em sua terceira expedição pela América do Sul. Eles vieram com seu Iveco Daily Bremach 4×4, em 2015, a bordo de um navio do porto de Hamburgo até Montevideo, no Uruguai. Já foram até o Cabo Ushuaia, Terra de Fogo, Ilha de Malta, Cordilheira dos Andes, entre outros locais do Chile, Uruguai e Argentina. As viagens duram geralmente um período de oito meses. Antes de virem, se preparam com o aprendizado do idioma latino. Os dois casais já haviam se encontrado em 2015 em Mendoza, Argentina. “Valorizamos a liberdade e adoramos a natureza. Temos cozinha, mantimentos, energia solar, um aparelho que filtra a água e um tanque de combustível que proporciona autonomia de 2 mil km. Até agora não ocorreu nenhuma experiência negativa. As pessoas ajudam e são prestativas”, detalha.

No RS, além do Vale do Taquari, o casal aventureiro conheceu a Serra Gaúcha, Região Metropolitana. Após seguem para os Aparados da Serra, litorais gaúcho e catarinense. Às vezes procuram locais com boa conexão de internet para Peter receber e entregar trabalho virtualmente. Em janeiro seguem para o deserto do Atacama e Cordilheira dos Andes “para fugir do calor excessivo”. E em 2018 pretendem seguir para a América Central e Anglossaxônica. Em 1996, a bordo de outro veículo, os dois realizaram expedições pela África Selvagem, dormindo no meio de elefantes e leões. Na ocasião as viagens duravam apenas seis semanas em decorrência dos compromissos profissionais. E também já conhecerem a região Báltica, Nórdica e Escadinava, no norte da Europa.

Peter e Irmi já estão se acostumando com o estilo de vida sul americano de viver um dia de cada vez. “Não há nada melhor. O mundo é nossa casa”.

Já Gisela e Michael são do estilo de turistas mais tradicionais. Hoje embarcam de avião para o Pantanal e em seguida vão a Costa Verde, no Rio de Janeiro.

Política, economia e redes sociais

O técnico em telecomunicações Michael Hipp revela que o comportamento dos europeus é mais cauteloso e direcionado com as redes sociais. O Facebook está em desuso porque há um excesso de informações irrelevantes, inverídicas ou tendenciosas e o Whatts App é vulnerável. Ambos tiram a concentração das pessoas do foco nos resultados. Ele prefere aplicativos suíços, como o Threema, que são mais seguros e confiáveis.

Gisela lamenta o excesso de notícias negativas a respeito do Brasil no exterior. “As notícias positivas, acabaram um pouco após o anúncio e realização da Copa do Mundo e Olimpíadas. O que chega a nós agora é que a economia do país está parada e há uma crise institucional sem solução, apesar de haverem inúmeras provas para enquadrar os acusados. Temos instituto de informações que nos trazem dados mais confiáveis sobre o Brasil do que o que a mídia divulga para os brasileiros. A situação do povo brasileiro que sofrem com esta a crise é preocupante e nos entristece”.

Por daiane
Peter e Irmi (D) estão em expedição pela América, enquanto a arroio-meense Gisela e o marido alemão Michael (casal à esquerda) estiveram na região para visitar parentes e amigos. Os quatro ficaram hospedados na casa de Raquel e Flávio Schwabach, que também aparece na foto

Peter e Irmi (D) estão em expedição pela América, enquanto a arroio-meense Gisela e o marido alemão Michael (casal à esquerda) estiveram na região para visitar parentes e amigos. Os quatro ficaram hospedados na casa de Raquel e Flávio Schwabach, que também aparece na foto