Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 16 de Dezembro de 2017

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Trilhos Urbanos

Hora do desembarque

24 de novembro de 2017 às 8h02

“O melhor o tempo esconde,

Longe muito longe

Mas bem dentro aqui” (Trilhos Urbanos – Caetano Veloso)

Repórter na maioria das vezes, editor, assessor de imprensa, ghost writer (aquele cara que escreve para outros assinarem). Assim tem sido a minha carreira profissional. Mas cronista efetivo, de compromisso semanal, a primeira experiência foi justamente aqui, no AT. O Gilberto Jasper, colega e amigo, sugeriu meu nome para a Isoldi Bruxel que, talvez embretada, não teve como dizer não e me permitiu esse espaço. A partir daí, tem sido uma grande escola, pois me obriga a sair da rotina de pautas e temas de ofício para desbravar um mundo de imaginação, ideias e muito esforço para ser atrativo aos leitores evitando lugares comuns e, sempre que possível, deixando algo de positivo e útil na passagem desse meu trem de pensamentos.

Agradeço a todos que se interessam na leitura. Procuro assuntos comuns a todos, independente do perfil de abordagem. Alguns textos me alegraram muito, aliás, na maioria das vezes fiquei feliz com o que escrevi. Às vezes, o pessoal da redação, como a Jaque Manica ou, logo no início, a Rejane, me sugeriam temas, ou elogiavam gentilmente alguns de meus artigos. Obrigado, gurias. Vocês foram guias e ótimas conselheiras. Teve quem discordasse também, sempre com muita elegância e argumentos. Alunos de escolas me retornaram comentários e isso me fez muito feliz.

Depois de algum tempo passei a frequentar a página ao lado da professora e escritora Ivete Kist! A mudança me obrigou a vestir o fardão do capricho para não fazer feio diante de uma vizinha que trabalha as palavras com maestria. Aliás escrever para o Alto Taquari, sempre teve muito suspense. A participação dos leitores é tímida, o pessoal lê, mas se manifesta pouco. São discretos e bem silenciosos. Então, a cada novo artigo foi sempre uma ansiedade para saber se acertei ou não o interesse da maioria.

De qualquer maneira, o caminho percorrido por meus trilhos urbanos em tantos anos, nunca ficou pelo caminho, sem energia para seguir adiante. O que acontece agora é que a estação final chegou. Um percurso com vivências, contos reais ou imaginários, que ocuparam todos os vagões e a partir desta edição desembarcam emocionados pela chegada e um pouco tristes pela jornada que chega ao fim. Mas não estão sozinhos, levam consigo mensagens de paz, conciliação e amor. Tão necessários hoje.

Obrigado a todos que me acompanharam, se foram meia dúzia, para mim, representam um universo. Na semana que vem a estação estará desocupada para uma nova locomotiva, com certeza com a mesma paixão, ou ainda maior. Mais uma vez, obrigado Isoldi, guerreira obstinada. Obrigado, Arroio do Meio e região. A bênção, Nico Jasper. Como diz a canção, se o tempo esconde o melhor lá longe, no baú das reminiscências, essas estarão sempre próximas ao meu veterano coração.

Por daiane