Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 29 de Setembro de 2020

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Agricultura

Hoje tem protesto dos produtores de leite

24 de novembro de 2017 às 8h14

A minha insistência, quase semanal, na abordagem da grave situação da cadeia produtora de leite e especialmente dos produtores, pode estar se tornando uma chatice para os habituais leitores, mas não é possível não nos sensibilizarmos, calar e ficarmos indiferentes diante de um quadro que envolve uma atividade econômica de tamanha importância, no nosso contexto social.

O Vale do Taquari é uma das principais regiões produtoras de leite do Estado e a atividade representa uma fonte de renda imprescindível para a sobrevivência de milhares de pequenas propriedades agrícolas.

Este ano de 2017 está se tornando um marco negativo na história da atividade de produção de leite. Ao longo dos anos aconteceram fases cíclicas, alternando momentos de crise com outras oportunidades de perspectivas boas, de ganhos ou pelo menos de algumas sobras.

Sob o aspecto econômico, as propriedades que têm atividades de produção de leite acumulam nos últimos doze meses frustrações, perdas e milhares de agricultores já desistiram da profissão. E os que persistem não sabem até quando conseguirão suportar essa carga negativa, considerando o fato de os preços de seu produto ter oscilação tão negativa, diminuindo, em alguns casos de forma inaceitável e ridícula. No ano passado, por exemplo, houve produtor recebendo em torno de R$ 1,60 e no último mês chegou a R$ 0,85 pelo litro. E no mesmo período os custos de produção elevaram-se, uma vez que todos os insumos tiveram os seus preços majorados, como o caso dos combustíveis que sobem praticamente todas as semanas.

Este panorama de dificuldades, aliado à insensibilidade dos governos federal e estadual, que não conseguem atender às necessidades e às reivindicações dos produtores e de suas entidades representativas, faz com que os agricultores realizem nesta sexta-feira uma grande manifestação de protesto, na cidade de Teutônia, reunindo produtores de toda a região do Vale do Taquari.

O ato público, que começa às nove horas, tem o objetivo de levar a grande insatisfação do setor para a rua, para os consumidores, esperando que o governo do Estado prorrogue a suspensão de um Decreto que concede incentivos fiscais à importação do leite e que o governo federal defina cotas ou adote limites de volumes de importações, não deixando que as entradas de produtos, especialmente do Uruguai, continuem de forma livre e sem controle.

A Rússia suspende compra de carne suína

Mais uma vez a cadeia de produção de suínos pode sofrer um baque com a anunciada decisão da Rússia em suspender as importações de carnes brasileiras.

Evidentemente, a Rússia não é o único importador de carne suína do Brasil, mas perder esse mercado em um momento em que a atividade estava vivendo um momento de equilíbrio acarreta, sem dúvidas, em prejuízos e desestímulos para os produtores e as empresas integradoras.

A produção de alimentos, ao lado da expressiva safra de grãos do último ano, estava proporcionando um clima de otimismo, pensando-se em superação da crise econômica brasileira. Todavia, esses episódios, envolvendo a produção de leite, a recente polêmica da carne bovina, agora os problemas da carne suína, começam a mostrar uma grande preocupação em setores que dependem da agropecuária, casos do comércio de máquinas e implementos agrícolas, fertilizantes, sementes, prestadores de serviços. Até pouco tempo atrás se via um ou outro setor com desempenho insatisfatório, mas hoje muitos setores sofrem, ao mesmo tempo, os efeitos da crise.

Por daiane