Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 24 de Fevereiro de 2020

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Carta Branca

O caso da exposição em Porto Alegre

21 de setembro de 2017 às 14h03

O cancelamento de uma exposição no Centro Cultural do Santander em Porto Alegre deu o que falar na semana passada. Se você não acompanhou o caso, trata-se do seguinte: uma exposição de obras de 85 artistas plásticos foi fechada um mês antes da data prevista, em razão de protestos pelas imagens alegadamente desrespeitosas ali apresentadas.

O caso repercutiu muito. No Brasil todo e também fora. Jornais de importantes cidades do mundo noticiaram o fato. Aqui, a polêmica rendeu. Fotos das obras condenadas circularam amplamente e o debate ficou aceso.

***

Por razões variadas, o acontecimento dá o que pensar.

Primeiro, chama a atenção a facilidade com que pessoas se sentem muito ofendidas por uma exposição feita dentro de um museu, exposição que só ficava acessível para quem fosse até o local para ver. É bem diferente do que acontece com as imagens da TV, por exemplo, que entram na nossa casa sem pedir licença e todos nós sabemos que pode haver crianças assistindo sem o acompanhamento de adultos responsáveis.

***

Segundo, também chama a atenção verificar como alguns se sentem à vontade para decidir o que é bom para os outros. Ou seja, há pessoas que não se contentam em não gostar do conteúdo de uma exposição. Elas acham que tem de decidir o que toda a população deve gostar. Ao se sentirem desconfortáveis com uma mostra chamam para si o papel de barrar a possibilidade de outros ter acesso e julgar por eles mesmos se querem ou não querem ver.

Estes que encabeçaram o protesto também pareceram à vontade para decidir o que é arte e o que não é e – como sabemos – o conceito de arte varia no tempo e no espaço. É difuso e impreciso.

***

Terceiro, observa-se que um grupo se dá ao trabalho de resolver o que são imagens indecentes e o que fica liberado. Além disso, que produza movimentos para proteger os outros dessa indecência. Especialmente por que há tantos atos impróprios para menores sendo cometidos e revelados no Brasil e não se veem os mesmos protestos contra isto.

Por exemplo, por que não é indecente a imagem de 51 milhões de reais de procedência suspeita guardados em apartamento de um representante do povo, que apareceu recentemente na TV, nos jornais, nas redes sociais?

Outra: por que não é indecente a imagem de gente mal atendida em hospitais públicos, ou a imagem de crianças subnutridas em favelas com esgoto a céu aberto, estando escrito na Constituição brasileira que todos são iguais perante a lei e que todos têm direito à saúde?

***

O lado positivo de toda esta confusão é que nos dá chance de pensar um pouco mais.

Podemos até lembrar da frase de Carl Ove Knausgard: “Nenhum olhar é puro, nenhum olhar é vazio, nada é visto da maneira como é em si mesmo… todo o sentido que eu posso captar vem de mim”.

Por daiane