Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 16 de Dezembro de 2017

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Política

Sidnei Eckert leva sua experiência para a Superintendência Estadual

, 10 de junho de 2017 às 9h30

Há pouco mais de um mês Arroio do Meio e Vale do Taquari contam com um representante num órgão federal. Em 5 de maio, o ex-prefeito Sidnei Eckert foi empossado como superintendente do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) no Rio Grande do Sul. O ato ocorreu em Brasília.

Segundo Eckert, o convite para assumir o órgão já havia sido feito em janeiro, mas a decisão em assumir o posto foi protelada em função dele não conhecer muito a área. O que pesou na sua decisão foi o fato de que o Vale do Taquari raramente tem oportunidades de representação em órgãos estaduais ou federais. “Fui avaliando. No Vale do Taquari sempre se reclama que ninguém é chamado, aí surge uma oportunidade e não aceitar? Vi que também era uma oportunidade de a região estar representada e acabei aceitando”, afirma.

A Superintendência do Rio Grande do Sul tem sua sede em Porto Alegre e conta com um quadro de cerca de 35 servidores públicos, entre geólogos, engenheiros de minas e energia e outros profissionais. Atua no fomento e na fiscalização da produção mineral no território gaúcho. No Estado, a produção mineral está diretamente ligada aos materiais de construção civil, pois é dela que vem a brita, a argila, a areia, a pedra basalto. Também tem relação direta com o carvão mineral, o calcário e a água mineral.

Hoje o Estado é o sétimo no ranking brasileiro de produção mineral, que tem Minas Gerais como líder e o Pará na segunda colocação. Conforme Eckert, há um grande projeto do grupo Votorantim que abrange a área de Lavras do Sul e Caçapava do Sul e que envolve investimentos de mais de R$ 500 milhões. Se este se concretizar, o Rio Grande do Sul vai aumentar consideravelmente sua produção mineral.

No tocante ao trabalho à frente da Superintendência, Sidnei diz que ainda está se adaptando, reorganizando a casa, implantando métodos de gestão para que o fluxo dos processos aconteça mais rápido. Especificamente no que diz respeito ao trabalho externo, salienta que está buscando uma aproximação maior do órgão para com os prefeitos e associações de municípios. A ideia é melhorar a relação com as prefeituras e fazer uma espécie de parceria, já que os municípios conhecem suas realidades e podem auxiliar a Superintendência no tocante ao aspecto legal, de fiscalização e, ao mesmo tempo, melhorar sua arrecadação. Hoje estima-se que os municípios gaúchos percam em torno de R$ 30 milhões em função da falta de fiscalização envolvendo produtos minerais. Outra ideia é de promover encontros regionais para debater aspectos inerentes ao setor, envolvendo os municípios.

“O corpo técnico da casa é bastante qualificado, mas era uma gestão de 17 anos e isso traz algum tipo de acomodação. Estou procurando implantar um pouco da minha experiência de vida na iniciativa privada e de oito anos de experiência na gestão pública. Estou bem feliz e acho que vai ser bem importante a minha passagem pelo órgão para dar uma oxigenada na casa”, afirma.

Eleição estadual

Questionado sobre as pretensões políticas para o ano que vem, Sidnei Eckert defende que o seu partido, o PMDB, e a região tenham um candidato a deputado estadual. Para tanto, se coloca à disposição do partido, embora ainda não tenha nada definido.

Por daiane
Sidnei Eckert, que foi prefeito de Arroio do Meio por oito anos, leva sua experiência de gestão pública e privada para a Superintendência Estadual de um órgão federal

Sidnei Eckert, que foi prefeito de Arroio do Meio por oito anos, leva sua experiência de gestão pública e privada para a Superintendência Estadual de um órgão federal