Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 23 de Setembro de 2020

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Economia

Data comemorativa impulsiona as vendas no comércio local

, 5 de maio de 2017 às 9h39

Segunda data do ano mais esperada pelo comércio, o Dia das Mães, comemorado no próximo 14 de maio, chega trazendo otimismo aos comerciantes de Arroio do Meio e região.

O presidente do CDL, Lair Fritzen, fala que o Dia das Mães é o segundo Natal para o setor do comércio. Lembra que a data comemorativa coincide com a chegada do frio, e por isso, projeta um acréscimo nas vendas, entre 5% e 10%, na comparação com o ano passado. A projeção otimista se deve também ao incremento na economia em razão do saque do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) liberado recentemente pelo governo.

Observa que a data é uma oportunidade para o setor alavancar as vendas que estavam em ritmo lento nos primeiros meses de 2017. O presidente salienta que o Dia das Mães é uma oportunidade para os comerciantes atraírem os clientes, e para isso, o setor deve ser criativo, oferecendo promoções, formas facilitadas de pagamento e novidades de mercado. Destaca que a economia vem se recuperando aos poucos e que Arroio do Meio é um município privilegiado em razão da economia forte e diversificada. “Temos um setor primário forte e um setor industriário desenvolvido o que fortalece o comércio. Não temos desemprego”, revela.

Maio é o segundo melhor mês

Já a expectativa da empresária do ramo de confecções e calçados, Marli Kist Roehrig, que possui oito lojas em cinco cidades do Vale do Taquari, quatro delas em Arroio do Meio é que as vendas se mantenham no mesmo patamar do ano passado. Explica que o mês de maio é o segundo melhor do ano, pois coincide com a mudança de estação e o Dia das Mães. “Claro que o Dia das Mães ajuda a alavancar as vendas. Mas para nós, o mais importante é a entrada do inverno. O mês de maio sempre é bom, por tradição. Todavia, se o calor permanecer, poderá prejudicar as vendas”, esclarece.

Crise de confiança

Sobre a retração econômica, a empresária fala que Arroio do Meio, como toda a região do Vale do Taquari, demorou a ser afetada em razão do desenvolvimento socioeconômico da região. “A crise demorou a chegar e não está querendo nos deixar. Até o momento não vejo sinais de recuperação”, opina.

Diz ainda que a retração econômica se deve à maré de pessimismo instalada na população, que está temerosa quanto ao futuro do país e, por isso, acaba comprando menos. Lembra que a região é privilegiada, uma vez que possui muitos empregos, tanto no setor primário como na indústria. “É uma crise de confiança, valores e de credibilidade, pois as pessoas não sabem o que vai acontecer daqui pra frente.”, destaca a empresária.

Descontos e facilidade de pagamento

Otimista, o empresário Clóvis Rambo espera um crescimento maior nas vendas na comparação com o ano passado, aproximadamente 15%. Para isso, vem trabalhando desde o início de março em cima do estoque adquirido especialmente para a data. Para atrair o cliente, o empresário disponibiliza em suas quatro lojas, incluindo a de Arroio do Meio, artigos com até 20% de desconto e pagamento em até 12 vezes. “São muitas as novidades com uma vasta linha de modelos e marcas. Para isso, fizemos parceria com grandes fabricantes”, comenta.

O lojista explica ainda que a expectativa se justifica por se tratar de uma data feminina, uma vez que as mulheres compram por impulso, diferentes dos homens que adquirem por necessidade. “Com menos de R$ 13 por mês o cliente pode comprar uma bota montaria”, exemplifica.

Valores entre R$ 80 e R$ 150

Ao que tudo indica a data comemorativa do Dia das Mães será mesmo boa para os empresários do setor. Aos poucos a economia volta a dar sinais de recuperação com o entusiasmo e otimismo dos consumidores. Roseli Raquel Neumann, de Arroio Grande, gastou no ano passado R$ 50, com o buquê de flores que deu de presente para sua mãe. Este ano o valor gasto será ainda maior com a compra de um perfume que custa R$ 80.

A agricultora Elaine Beuren, de Linha 32, ainda não decidiu o que vai dar de presente para sua mãe. Porém já estipulou o valor, entre R$ 100 e R$ 150. “Estou decidindo entre uma roupa ou um calçado. Estou pensando”, conta.

A moradora de Capitão, Ana Caroline Ziem, gastou no último ano R$ 300 na compra de um processador de alimentos. No entanto, este ano o presente será de menor valor, R$ 100. “Pretendo comprar uma jóia, para deixar minha mãe, uma pessoa tão importante, ainda mais bonita”, finaliza.

Por daiane