Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 15 de Setembro de 2019

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Geral

Vigésima edicão do espetáculo A Paixão de Cristo terá novidades

, 13 de abril de 2017 às 11h21

Há 20 anos, quando um pequeno grupo de jovens de Forqueta decidiu reviver por meio do teatro parte da vida de Jesus, não sabia ao certo aonde a iniciativa daria. Com o passar dos anos, o grupo se fortaleceu, cresceu e foi inovando. Amanhã, às 20h, ao encenarem pela 20ª vez o espetáculo A Paixão de Cristo, os mais de 100 atores vão legitimar uma história de união e vontade de transformar a vida e morte de Jesus num momento de emoção e reflexão.

Na atualidade, a encenação é um dos eventos mais marcantes da Semana Santa na região, atraindo milhares de pessoas todos os anos. Na encenação realizada em 2015 o público superou as cinco mil pessoas, um dos maiores já registrados. No ano passado, em função do mau tempo o evento teve de ser cancelado.

Em entrevista, os organizadores falam sobre a evolução da encenação ao longo dos anos, bem como o que o público pode esperar da vigésima edição, que vem cheia de novidades.

AT – Como surgiu a encenação da Paixão de Cristo em Forqueta?

Organizadores – Surgiu com um grupo de jovens de Forqueta, lá, em 1997; o grupo era em número reduzido, mas manteve sempre a chama da união e vontade de fazer acontecer algo diferente. Após isto o grupo foi crescendo com mais atores, mais figurinos, até cenário próprio, hoje Cenário da Lagoa.

AT – O que foi preponderante para que a encenação se mantivesse ao longo de todos esses anos?

Organizadores – Há dois aspectos que podemos elencar: a união do grupo e o público que aumenta a cada ano.

AT – Passados 20 anos, qual a importância deste evento para a comunidade de Forqueta?

Organizadores – Poder transmitir uma mensagem de paz, de amor e mostrar que apesar de muitos prantos que o mundo possui, Cristo deixou uma mensagem de amor para a humanidade.

AT – Quais as mudanças e avanços que ocorreram neste período?

Organizadores – No início, tudo era muito simples e com limitações em vários setores como figurinos, números de atores, etc… A grande mudança é a do cenário próprio, fixo, construído e pensado especialmente para a encenação. Possui dimensões aproximadas a meio campo de futebol oficial. E carrega consigo uma riqueza de detalhes, dando impressão de estar na antiga Roma.

AT – Sabemos que os participantes são voluntários e que muitos participam desde a primeira edição. Qual é o segredo para continuar motivando essas pessoas a participarem ano após ano?

Organizadores – O principal segredo é o público que vem nos prestigiando ano após ano, e é o que mais nos incentiva para as mudanças. O nosso público não quer ver sempre a mesma cena, a mesma expressão ou a mesma fala, a mudança tanto dentro do roteiro como dentro do cenário é fundamental.

AT – O que as pessoas podem esperar do espetáculo de 2017?

Organizadores – Muitas novidades. Algumas delas são: atração antes da encenação, figurinos da Cavalaria Romana analisados e repaginados pelo Design de Moda da Univates, encerramento com um lindo show de fogos e cenas novas.

AT- Desde quando o grupo está trabalhando na encenação deste ano? Quantos atores vão participar?

Organizadores – Alguns meses se reunindo com a comissão organizadora, depois com atores para estudo de seus personagens. Para este ano serão mais de 100 atores.

AT – Quais são as expectativas em termos de público?

Organizadores – Na última edição tivemos cinco mil pessoas, a expectativa é que este número permaneça ou aumente.

AT – Quais são os principais custos da encenação e como o grupo consegue arrecadar recursos para realizar o evento?

Organizadores – Os principais custos são a contratação de som, iluminação e a locação de gerador. O principal apoio é da Administração Municipal, juntamente com os patrocínios que vendemos e a contribuição espontânea do público.

Por daiane