Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 01 de Outubro de 2020

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Economia

13º salário: Quitar dívidas é a prioridade da maioria

, 25 de novembro de 2016 às 8h22

Arroio do Meio – A primeira parcela do 13º salário deve ser paga até o dia 30 de novembro e a segunda até 20 de dezembro. A injeção de mais recursos no bolso dos brasileiros movimenta a economia e anima os trabalhadores. De um lado os comerciantes, que têm a intenção de vender mais ou receber valores em atraso. Do outro, pessoas que aguardam a gratificação para pagar dívidas contraídas ao longo do ano, quitar impostos ou fazer algo diferente, que a grana curta não permitiu nos demais meses.

Uma pesquisa realizada pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP) com 1,2 mil pessoas em 72 municípios brasileiros aponta que 33% dos entrevistados pretendem usar o salário extra para pagar contas. O levantamento apurou ainda que 14,6% usarão o valor para comprar presentes e 6,3% vão viajar (em 2014 essa parcela era de 9,5%). A opção “comprar roupa nova para as festas de fim de ano” foi citada por 2,1% dos entrevistados (no ano passado essa parcela chegou a 1%). “Reformar a casa” foi lembrado por 1% (em 2014 foram 2,4%).

No estado

O décimo 13º deve injetar R$ 12,7 bilhões na economia do Rio Grande do Sul, segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos Dieese. Esses números representam a movimentação de cerca de 6,5% do total do Brasil (R$ 197 bilhões) e 40,4% da região Sul. Os recursos a serem pagos equivalem a 3,3% do PIB estadual. Serão 5,7 milhões de trabalhadores que receberão o 13º, o que correspondente a 6,8% do total do Brasil, e o valor médio do rendimento em 2016 vai ser de R$ 2.016,89.

O número de pessoas no Rio Grande do Sul que vai receber o 13º salário em 2016 é 1% superior ao calculado no ano passado. Principalmente pelo aumento do número de aposentados e pensionistas pelo INSS, que tiveram um acréscimo de 2,9% em relação a 2015. O Dieese estima que mais 74 mil pessoas passarão a receber o benefício.

Quitar contas é a prioridade

Em Arroio do Meio, a situação não é muito diferente da apontada na pesquisa. A moradora do bairro Novo Horizonte, Michele Fröder, dará prioridade para as contas a pagar e o restante será utilizado para o lazer. “Primeiramente vou pagar o IPVA da minha motocicleta e o restante vou investir na compra de um aparelho celular novo. Há mais de meio ano estou planejando a troca de meu celular. O presente neste Natal vai ser para mim”, brinca.

Da mesma forma a auxiliar de cozinha Adriana Todescato da Silva, do Centro, priorizará o pagamento de contas. O pagamento do IPVA é a prioridade e o restante utilizará para a compra de presentes para o filho e familiares.

Já a vendedora Ana Paula Casaril, moradora do Centro, destinará a gratificação natalina para quitar contas contraídas ao longo de 2016. Porém, afirma que utilizará uma parte para pagar uma viagem que fará nas férias. “Uma pequena parte vai ser usada na compra dos presentes de Natal para amigos e familiares”, revela.

Quando perguntado sobre onde investir o 13º salário, o funcionário público estadual Alex da Silva Castro brinca: “o que é isso?”. Recebendo o salário parcelado, diz que não sabe como e nem quando irá receber o valor. No entanto, como na maioria dos trabalhadores, deve primeiramente quitar os tributos dando exemplo de IPTU e IPVA. O valor também servirá para quitar dívidas contraídas ao longo do ano. “Uma pequena parte destinarei à compra de presentes”, revela.

Décimo terceiro ameaçado

Em entrevista na terça-feira, o secretário da Fazenda do governo do Rio Grande do Sul, Giovani Feltes, disse que não há dinheiro para o pagamento do salário de dezembro do Funcionalismo Público em dia, tão pouco o 13°. Os vencimentos correspondentes a dezembro e a gratificação natalina devem ser pagos como vem ocorrendo nos últimos meses, ou seja, parcelados. O parcelamento do 13º faz parte do pacote anunciado pelo governador José Ivo Sartori na manhã de segunda-feira. O objetivo do pacote é estancar a crise financeira do Estado.

Por daiane