Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 26 de Agosto de 2019

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Saúde

Posto de Saúde estará aberto para as mulheres na manhã deste sábado

, 14 de outubro de 2016 às 6h00

Arroio do Meio – O Posto de Saúde Central estará aberto ao público feminino na manhã deste sábado, 15 de outubro, das 8h às 11h30min. A manhã especial, alusiva ao Outubro Rosa, contará com profissionais para coleta de pré-câncer e autorizações de mamografias, numa iniciativa da Secretaria Municipal da Saúde.

De acordo com o secretário da Saúde, Gustavo Zanotelli, mensalmente são disponibilizadas 72 mamografias pelo SUS, junto ao Hospital São José. “Nosso trabalho de prevenção acontece todos os meses do ano. A prevenção tem que ser diária e constante”, ressalta.

Além disso, outras ações de saúde preventiva são realizadas nos postos de saúde dos bairros, por meio de grupos de saúde e convivência, que se reúnem semanalmente para a prática de atividades e palestras orientadas por profissionais da saúde. “A Administração Municipal também ampliou o atendimento especializado nas Estratégias de Saúde da Família (ESFs), disponibilizando médica ginecologista e obstetra nos bairros, visando a promoção à saúde preventiva e o bem-estar da comunidade”, observa Zanotelli.

Prevenção o ano todo

A enfermeira Maica Adams, do posto da ESF Aimoré, salienta que as mulheres devem ficar atentas ao seu corpo durante todo o ano e que exames preventivos podem ser feitos em todos os postos de saúde do município. A coleta de pré-câncer é feita, inclusive, em algumas empresas. “O Outubro Rosa é importante para fazer a mulher pensar, refletir e procurar o serviço de saúde para exames. Mas eles estão disponíveis durante todo o ano e sem custo”, observa.

A enfermeira afirma que o câncer, se diagnosticado precocemente, tem grandes chances de cura. Se a mulher fizer os exames anualmente, as possibilidades de descobrir uma lesão inicial são muito maiores. Além dos exames, a prevenção ao vírus HPV, maior causador de câncer de colo do útero, também é fundamental. Neste quesito, o preservativo e a vacina contra o HPV são grandes aliados. A vacina está disponível no sistema de saúde para meninas de 9 a 13 anos e na rede privada para outras faixas etárias. No caso do câncer de mama, a mamografia a partir dos 40 anos e, precocemente para as mulheres com casos na família, é indicada para que, se houver lesões, estas possam ser diagnosticadas no início e tratadas.

Fatores de risco

Câncer de mama – primeira menstruação antes dos 12 anos, menopausa tardia – depois dos 55 anos, gravidez depois dos 30 anos ou não ter filhos, reposição hormonal prolongada no pós-menopausa, ingestão de bebidas alcoólicas, sobrepeso, tabagismo, exposição à radiação ionizante com frequência e fatores genéticos e hereditários.

Câncer de colo do útero – histórico familiar de câncer de colo, infecção por HPV, múltiplos parceiros, sexo sem preservativo, início precoce da atividade sexual, tabagismo, uso prolongado da pílula anticoncepcional, imunidade baixa, especialmente nos casos de infecção por HIV.

Sintomas

Câncer de mama – bico do seio invertido, caroço no seio ou embaixo do braço, pele com aspecto de “casca de laranja”, secreção no bico do seio

Câncer de colo do útero – é uma doença de desenvolvimento lento que pode cursar sem sintomas em fase inicial e evoluir para quadros de sangramento vaginal intermitente ou após a relação sexual, secreção vaginal anormal e dor abdominal associada a queixas urinárias ou intestinais nos casos mais avançados.

Saiba mais: O mês de outubro é marcado pela simbologia da prevenção da saúde feminina. Comemorado internacionalmente, o movimento Outubro Rosa foi criado para conscientizar, principalmente as mulheres, dos fatores de risco, de proteção e das medidas de detecção precoce do câncer de mama.

Por daiane

Enfermeira Maica salienta a importância de fazer os exames anualmente, a partir do início da vida sexual. Hoje o câncer de colo do útero é a quarta causa de morte de mulheres por câncer no Brasil, enquanto que o câncer de mama é o tipo mais comum em mulheres do Brasil e do mundo, depois do câncer de pele não melanoma