Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 24 de Fevereiro de 2020

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Geral

Proposta de revitalização do Parque do Imigrante é apresentada por arquiteto arroio-meense

, 13 de agosto de 2016 às 9h30

Vale do Taquari – A nota 10 recebida pela apresentação do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), em Arquitetura pela Univates, pode credenciar o arquiteto Ândrio Vicari, 28 anos, morador do bairro Aimoré, a participar de um dos três concursos: o prêmio estadual do Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB); Opera Prima (nacional); e Archiprix (mundial).

A revitalização do Parque do Imigrante proposta pelo arquiteto, busca deixar a área de 65 mil metros quadrados mais usual em períodos ociosos – quando não há eventos – e mais moderna para programações, como feiras, exposições e shows. O projeto otimiza a estrutura existente com novos espaços, tornando o local um polo atrator urbano, para fins expositivo, educacional, esportivo, cultural, comunitário, institucional e de entretenimento.

Vicari manteve os três pavilhões principais e um de apoio. Entretanto incrementou as instalações, com a retirada da cobertura antiga, em substituição de dispositivos estruturais novos com mezaninos. A altura total diminuiu, para trazer menos impacto visual aos vizinhos.

O 1º pavilhão (cultural) permanece sendo o ponto de partida para conformação de um eixo cultural, composto pelo Museu Bruno Born na ala superior e em prédios anexos: o arquivo histórico; e um auditório para eventos de porte médio (400 pessoas) com hall e café, aproveitando as características do declive de 7 metros, com abertura no fundo do palco. A parte superior do hall contará com ateliers.

O 2º pavilhão (eclético) tem a possibilidade de ser dividido em duas partes – para atividades de patinação e basquete de cadeira de rodas, simultaneamente, conferências e palestras. E o 3º pavilhão (esportivo) conta com duas quadras poliesportivas, vestiário e copa, além de arquibancadas retráteis, que otimizam o espaço em dias de eventos. O 2º e 3º contam com mezaninos expositivos e multiuso, interligados com acesso por uma rampa monumental.

As laterais destes foram limpas, porém, mantido um pavilhão de apoio que contará com pista de skate, duas quadras esportivas e parkour. Já a rua interna existente, que direciona o público a diversos ambientes passa a ter cobertura com grelhas metálicas e vidro temperado.

Paralelamente foi projetado um outro pavilhão de 180 metros, com percurso e locais de contemplação no segundo pavimento, e passarelas que intercalam com os mezaninos e hall dos outros prédios.

No segundo pavimento deste pavilhão, na imediação das rua das Azaléias, também funcionaria a secretaria do Turismo, Defesa Civil e o setor administrativo do parque, e por baixo, ocorreria o acesso dos funcionários.

O arquiteto também projetou um mirante, que dá visão panorâmica para todo o parque e tem vista para a orla do rio Taquari e porto de Estrela, e servirá como depósito d’água, além de um túnel que dá acesso ao Parque Histórico.

Toda a estrutura nova é metálica ou com pré-moldados, com o custo mais racional e exequível possível. “Conversa melhor com a parte pré-existente” atribuiu.

Outra mudança contundente é a retirada do restaurante da parte interna do parque, para ser instalado junto a avenida Alberto Müller, com mesas junto às calçadas e acesso para o parque. “O comércio funciona melhor perto das ruas e automaticamente atrairá mais pessoas para circularem no local”, observa.

E, por fim, a inserção da ciclovia que passa pelo bairro ao redor da quadra do parque, com pista de corrida/caminhada. Nos dias de evento haverá acesso pelos quatro lados: o principal pela Avenida Parque do Imigrante; o secundário pela Avenida Alberto Müller; e os outros dois pela rua das Azaléias e Lourenço Mayer da Silva.

A intenção do projeto é manter e intensificar as atividades existentes: futebol, patinação e basquete para deficientes, introduzindo outras diversas como atelier de costura, artesanato, yoga, equinoterapia, pista de skate e parkour. “Acredito que a revitalização de um espaço tão nobre trará benefícios não só para a cidade de Lajeado, mas também para o Vale do Taquari, dando maior visibilidade para feiras como a Expovale, Construmóbil, além de colocar à disposição do público um espaço agradável e prazeroso”, concluiu.

Por daiane