Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 08 de Julho de 2020

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Geral

Saiba a melhor época para adquirir produtos e serviços

, 17 de julho de 2016 às 10h00

Arroio do Meio – Em períodos em que a oferta de um determinado produto ou serviço excede muito à procura, seu preço tende a cair. Já em períodos nos quais a demanda passa a superar a oferta, a tendência é o aumento do preço. A chamada lei da oferta e da procura funciona tanto para produtos, como para serviços.

Outros elementos também influenciam, na gangorra dos preços, entre eles: o desejo e a necessidade das pessoas, o poder de compra, a disponibilidade dos serviços, a concorrência, a existência de produtos complementares ou substitutos e a capacidade das empresas de produzirem determinadas mercadorias com o nível tecnológico desejado.

Piscina com desconto

De vários tamanhos, formas e muito desejadas pela maioria das pessoas no verão, porém esquecidas no inverno, as piscinas podem ser adquiridas por um bom preço nesta época do ano. Os descontos podem variar entre 10% e 20%. O proprietário de uma loja que vende piscinas em Lajeado confirma que as vendas caem em 70% no inverno. Segundo ele, em março as vendas despencam bem como os produtos necessários para a sua manutenção. “Chego a vender cerca de 20 piscinas no verão e agora no inverno vendo de quatro a cinco”, revela.

Condicionadores de ar por menor preço

Outro exemplo é a comercialização de condicionadores de ar. No inverno, esses aparelhos costumam ter pouca saída, principalmente aqueles que funcionam somente para resfriar o ambiente. A proporção é de um para dez. O proprietário de uma loja situada no bairro Bela Vista, Evandro Schwarzer, revela que a queda nas vendas chega a 95% no inverno. E a manutenção em média 70%. No entanto, esse ano as baixas temperaturas fizeram a procura pela manutenção cair menos.

Evandro explica que condicionadores de ar podem ser adquiridos por menor preço na primavera, período em que o clima é ameno. Nessa época do ano o desconto pode chegar a 10%. “Em setembro predomina a meia estação, e por isso não há necessidade de usar esse tipo de aparelhos”, frisa.

Metade do preço

A melhor época para renovar o guarda-roupa é durante a troca de estações. Quando o verão está para acabar, as lojas anunciam liquidações para esvaziar o estoque e dar lugar aos modelos de outono/inverno. Nessas ocasiões, são oferecidos para o consumidor muitos descontos que podem chegar a 50%. O mesmo acontece no fim do inverno, quando roupas dessa estação são vendidas por preço bem menores, já que lojistas não costumam deixar essas peças em estoque, uma vez que a próxima estação fria é marcada por novos modelos. Porém, também é importante ficar atento: nem sempre a loja inteira está em liquidação, apenas alguns produtos. Certifique-se dessa informação assim que entrar na loja, para não cair em pegadinhas.

Estética e saúde

Bastante procurada no verão pelas mulheres, a depilação diminui consideravelmente no inverno. Entre os motivos está a sensibilidade, já que nessa época do ano a pele fica mais ressecada e sensível. Conforme Marilene Schneider proprietária de um salão de beleza em Arroio do Meio, que também oferece serviço de depilação, a procura por esse tipo de serviço cai em média 50% nessa época do ano. Outra explicação é que ao contrário do verão, os corpos ficam menos a mostra, e por isso, não há necessidade de realizar a depilação. “Outros serviços também têm diminuição no inverno, porém em menor quantidade. Até cortes de cabelo e tratamento de pele diminuem”, observa.

Fogões a lenha

As baixas temperaturas registradas no Rio Grande do Sul favorecem também as vendas de fogões a lenha. Equipamento usado para aquecer o ambiente é o preferido pelos arroio-meenses que usam também para cozinhar. Apesar da boa procura, aumento de 40% nas vendas, os preços se mantêm inalteráveis tanto no inverno como no verão, garante o gerente de uma loja de eletrodomésticos, Adriano Azevedo.

Lavagens de veículos

As lavagens de veículo também registram queda na clientela nessa época do ano. Porém, a diminuição pela procura do serviço não reflete nos preços. Segundo o proprietário de uma delas, Jonathan Sandri, a diminuição é de aproximadamente 20%. Segundo ele, no inverno as pessoas saem menos de casa e consequentemente sujam menos os seus veículos. A baixa procura também é atribuída à pouca incidência de chuvas nos últimos meses, que faz a procura cair por esse tipo de serviço. “No inverno realizo cerca de 50 lavagens por semana. Já no verão, chego a lavar 70 veículos. Vem muito carro da praia. Por isso, aumenta muito o movimento”, observa.

Por daiane