Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 26 de Outubro de 2020

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Economia

Enquanto restaurantes registram queda no público, procura pela tele-entrega aumenta

, 4 de junho de 2016 às 9h30

Arroio do Meio – O consumidor tem gasto menos com alimentação fora de casa. A retração da economia e as perspectivas desfavoráveis para o futuro provocaram uma mudança de comportamento na população que prefere economizar realizando as refeições em casa, que pesam menos no bolso. Um levantamento feito pelo AT em Arroio do Meio aponta que entre os restaurantes pesquisados, houve redução de até 20% no público.

O proprietário de um restaurante localizado no Centro de Arroio do Meio, Marcelo Bettio, confirma a queda na clientela em cerca de 20%. Marcelo não gosta de falar em crise. Porém, concorda que as pessoas estão mais contidas financeiramente. Servir-se menos é uma das estratégias adotadas pelos clientes que tentam economizar e fazer com que o salário chegue até o fim do mês.

Com dinheiro mais curto, as pessoas estão saindo menos à noite para jantar. Marcelo revela que, além do restaurante que funciona ao meio-dia, trabalhava também à noite servindo pizzas. Mas optou por não atender nesse período, uma vez que, o público é muito restrito. “Sair para jantar à noite é um lazer. Diferentemente das pessoas que precisam almoçar fora de casa, por não ter tempo de preparar suas refeições, ou porque moram longe. Para funcionar nesse período precisávamos de uma equipe de cinco pessoas. Os gastos eram muito altos para atender pouca gente. Por isso, optamos por fechar”, conta.

Régis Ritt, proprietário de outro restaurante da cidade, disse que o movimento se manteve e não houve redução de clientes em seu estabelecimento no período do almoço. Porém registrou queda de cerca de 50% no período da noite, quando serve lanches, a la minutas e pizzas. “O clima mais frio afugenta os clientes. No entanto, não podemos dizer que a crise não tenha influenciado nessa queda de público”, observa.

Na contramão dos restaurantes, que vêm registrando queda na clientela nos últimos meses, o serviço de tele-entrega vem crescendo no município. Lancherias estão apostando na modalidade que aumentou em até 30% em alguns estabelecimentos.

Éreson Portela, o Polako, proprietário de uma lancheria do Centro, revela que as tele-entregas aumentaram, em média, 20% no último ano. São mais de 30 sabores de lanches, além de tábuas de frios e a la minutas que são entregues no Centro e nos bairros. O preço cobrado pela tele-entrega varia entre R$ 5 e R$ 7, dependendo do local. O serviço é oferecido todos os dias da semana.

A proprietária de uma lancheria localizada em Bela Vista e que atua há 15 anos no município, Loiva Stumn, revela que a procura pela tele-entrega aumentou em 30% de um ano para cá. Para alavancar as vendas, ela realiza semanalmente sorteios de lanches aos seus clientes e possui a tele-entrega com preços mais competitivos, variando entre R$ 1 e R$ 2. Já as entregas de maior distância variam entre R$ 3 e R$ 7.

Comodidade e praticidade

A secretária Cláudia Giovanella não dispensa um bom lanche. Uma vez por semana ela pega o telefone para pedir o seu preferido, o xis Salada. O namorado também acompanha. A comodidade é a principal razão pela qual Cláudia prefere os lanches. “Prefiro ficar em casa no conforto do meu lar. Enquanto tomamos um chimarrão esperamos a comida”, conta.

A estudante Júlia Huppes Majolo não é diferente. Ela prefere pedir lanches rápidos e pizzas ao ir até um restaurante para jantar. “Tudo pela praticidade. Aqui em casa somos em cinco pessoas e todos preferimos ficar em casa. Gostamos muito de xis e pizzas”, revela.

Quase 70 estabelecimentos cadastrados

O número de estabelecimentos do ramo da alimentação vem crescendo ano a ano no município. Atualmente estão cadastrados, segundo dados da secretaria da Indústria e Comércio, 49 lancherias, 19 restaurantes e uma churrascaria. Há ainda, aqueles microempreendedores individuais que preparam seus produtos em casa e distribuem de porta em porta, como pães, pizzas, massas, entre outros.

Por daiane