Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 01 de Outubro de 2020

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Economia

Baixas temperaturas aquecem as vendas

, 18 de junho de 2016 às 9h30

Arroio do Meio – As baixas temperaturas registradas nas últimas semanas têm influenciado positivamente nas vendas do comércio do município. Cobertores, fogões a lenha e aquecedores são apenas alguns dos itens que tiveram a comercialização ampliada com a onde de frio intenso.

Josi Horn, gerente de uma loja que vende artigos de cama, mesa e de inverno, comemora o crescimento nas vendas dos últimos dias. Ela explica que cobertores e roupas de cama tiveram aumento nas vendas em mais de 100%. Em menor quantidade, cerca de 50%, os tapetes também vendem bem nessa época do ano. Bastante procurados, os 12 lençóis térmicos disponíveis foram vendidos em apenas uma semana, e a procura ainda é grande, porém não serão mais repostos. “Tapetes mais quentes com pelos mais longos têm bastante saída no inverno. Os cobertores também. Já fizemos dois pedidos extras”, comenta.

Para escapar do frio intenso que tem feito nos últimos dias, as pessoas apostam em várias possibilidades para se manterem aquecidas e, desta forma, aumenta a procura por mantas para camas e sofás. Lençóis de microfibra também vendem muito. A procura se intensificou nos últimos dias quando as temperaturas caíram em todo o Estado. “Esses lençóis são aconchegantes e quentes, por isso têm bastante saída.”, revela.

O gerente de uma loja de eletrodomésticos de Arroio do Meio, Adriano de Azevedo, também está rindo à toa. Ele comemora a onda de frio e o aumento nas vendas de equipamentos destinados a aquecer a casa, que subiram em média 40% no último mês. Ele conta que a procura é maior por aquecedores, que custam menos e, por isso, vendem mais. Em duas semanas foram pelo menos 15 peças vendidas.

Outro campeão de vendas é o fogão a lenha. As baixas temperaturas provocaram uma corrida à loja que zerou o estoque em menos de 15 dias. Só na última semana foram vendidos quatro, do total de 10 vendidos. “Não vendemos mais por que não recebemos da metalúrgica. Eles não estão conseguindo atender a demanda”, observa.

Proprietários de lojas de roupas também não podem se queixar. A procura iniciou no fim do mês de abril quando as temperaturas começaram a cair. Mateus Zanchet, proprietário de uma loja de roupas do Centro, explica que a procura por agasalhos cresceu cerca de 25% e se intensificou no último mês. Revela que as primeiras a renovarem o guarda roupa são as crianças e, só após isso, as compras são destinadas aos adultos. “Por enquanto as vendas estão boas. Calças, jaquetas e moletons são as peças que mais saem. Esperamos que as vendas se mantenham assim até o fim do inverno”, fala Mateus.

Por daiane