Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 15 de Setembro de 2019

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Agricultura

Vendas de máquinas e implementos caem 37,4% na Expointer

, 11 de setembro de 2015 às 10h51

Esteio – Mais de 500 mil pessoas visitaram o Parque de Exposições Assis Brasil, para a 38ª Expointer, que é considerada uma das maiores mostras agropecuárias da América Latina. A feira terminou no domingo (06) com volume de negócios de R$ 1,70 bilhão. Diante de um cenário de retração econômica, taxas de juros maiores que a dos últimos anos e preços mais elevados, o segmento de máquinas e implementos agrícolas teve redução de 37,4%, totalizando R$ 1,69 bilhão em negócios encaminhados. A queda é reflexo da economia nacional.

Já a venda de animais teve incremento de 23,79% em relação ao ano de 2014. O volume chegou a R$ 15.389.240,00. Os leilões da raça Crioula e a comercialização de coberturas puxaram, mais uma vez, a venda de animais, alcançando R$ 10,98 milhões. A venda de bovinos de corte e mistos atingiu R$ 2.687.520,00 – aumento de 60% em relação a 2014, quando o desempenho foi de R$ 1.671.910,00.

Um dos espaços mais concorridos na feira, o pavilhão da Agricultura Familiar, bateu novo recorde neste ano. A venda das agroindústrias nos nove dias chegou a R$ 2.200.504,99, incremento de 12,67% em comparação a 2014. Neste ano também aumentou, em 17%, o número de agroindústrias familiares na Expointer, que foi de 239 expositores, tanto é que para o próximo ano há previsão da construção de um novo pavilhão.

A Vinícola Paludo de Vasco Bandeira, Marques de Souza, registrou um aumento nas vendas, entretanto, ficaram abaixo das projeções iniciais. “O calor atípico fez as pessoas optarem pelo suco de uva. Já na comercialização de vinhos, antes os consumidores adquiriam caixas, agora compraram unidades, o que pode ser reflexo da diminuição do poder aquisitivo”, comentam os proprietários.

Já no artesanato, o faturamento ficou em R$ 960.090,25, com a venda de 28.631 peças expostas na área que reuniu 282 expositores cadastrados no Programa Gaúcho do Artesanato (PGA) da Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social (FGTAS). Houve queda de 30% em relação ao ano anterior, quando o faturamento fechou em R$ 1,4 milhão.

Por daiane