Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 28 de Setembro de 2020

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Polícia

Polícia Civil faz balanço e traça metas para 2014

, 21 de março de 2014 às 9h52

O delegado Ranolfo Vieira Júnior, chefe da Polícia Civil do Rio Grande do Sul, comandou a reunião de planejamento e gestão com os policiais e delegados da 19ª região, que abrange o Vale do Taquari, na sexta-feira, dia 14, no auditório do prédio 11 da Univates.

Conforme Ranolfo, as reuniões fazem parte do plano de interiorização da polícia que ocorre em regiões do Rio Grande do Sul. Ele explica que nesses encontros são discutidas as metas para o ano seguinte; investimentos para o ano corrente; recrutamento de pessoal e o balanço geral do ano que passou.

Em 2013 houve uma redução nos homicídios, porém nos meses de janeiro e fevereiro de 2014 se verificou um crescimento em relação ao mesmo período no ano passado. “Isso se constatou em todo o território gaúcho, não só no Vale do Taquari. Não sabemos ainda o que está acontecendo, mas estamos priorizando os crimes de homicídio no Estado. Precisamos chegar à autoria.”

Por outro lado, Ranolfo considera o ano de 2013 positivo, já que foi constatado uma redução do crime de roubo de veículo. Para ele, isso se deve ao grande número de operações realizadas pela Polícia Civil, somando 576. “Precisamos priorizar os crimes de homicídios e latrocínios e os crimes que acontecem em cada região, pois cada parte do Estado tem sua peculiaridade.”

Sobre investimentos o chefe da Polícia Civil afirmou que nesta administração foram adquiridas 868 viaturas e para a região seis veículos discretos chegarão até o final do semestre.

Ele reconhece que o problema maior está na falta de efetivo e ressalta que nesta administração foram admitidos 800 policiais e deverão ser admitidos mais 700 no segundo semestre, sendo contemplada a região do Vale.

Quanto à estrutura das delegacias de Polícia, Ranolfo cita que das 550 instituições do Estado, 55 prédios são próprios – estando em piores condições de conservação – e o restante é alugado. “Conseguimos reformar alguns deles, mas não conseguimos fazer isso em sua totalidade”, finaliza.

Por daiane