Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 24 de Fevereiro de 2020

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Economia

Indústria impulsiona economia municipal

Arroio do Meio – Com R$ 41.698,73 de Produto Interno Bruto (PIB) per capita, o município é o primeiro colocado nos índices de Produto Interno Bruto (PIB) per capita da região, 11º no PIB per capita do Estado, e figura em 51º no PIB geral do Estado, de acordo com informações de um estudo da Fundação de Economia e Estatística (FEE) a partir do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

As expectativas são de que até 2020 esses índices melhorarão ainda mais, tendo em vista o retorno dos fortes investimentos que vêm se concretizando na indústria, comércio e serviços. Maré que está contribuindo para o surgimento de novas demandas de consumo e beneficiar os que estiverem preparados para sintonizá-las neste contexto.

De acordo com a Secretária Municipal da Fazenda, Jaqueline Kuhn, a indústria responde por mais da metade do valor arrecadado (ver Box). Entretanto, a economia se mantém estável nos últimos anos, isto é, não teve mudanças significativas. “A agricultura teve uma queda no percentual de participação, mas o retorno de ICMS se mantém constante. Já a indústria, teve um aumento significativo no retorno de ICMS, graças a política da diversificação no setor que tem sido tema recorrente nas últimas décadas, especialmente desde o final dos anos 1980, quando iniciou a primeira crise do calçado.

Atualmente o município tem em torno de 247 indústrias divididas em vários segmentos com destaque para o setor que envolve a cadeia produtiva de alimentos (BRF Foods, Bremil, Cosuel, Cia Minuano de Alimentos, Vonpar Alimentos, Dalpian e Cia, Kananda) limpeza (Girando Sol, Clean Vale Comércio de Produtos Químicos); couros e calçados (Aimoré Couros, Calçados Bottero Ltda, Elmir Comércio de Calçados Ltda, Teresinha Schmidt, Calçados Brisa Sul, Draumer Calçados e vários atelieres), São também fortes segmentos na área de refrigeração (Serraff , Refricomp (perdida para Lajeado), Refrigeração KI Frio, Refrigeração Biasibeti, e etc) e segmentos voltados mais para construção com pequenas fábricas de móveis e de concreto (Nilsson e Planoconcreto). As empresas citadas são alguns exemplos, mas estão no ranking das 50 maiores por Valor Adicionado.

Sob o ponto de vista político, além da diversificação industrial que garante maior oportunidade de crescimento e desenvolvimento profissional e renda e que foi sendo construído nos últimos anos, são atribuídos índices positivos à cultura, à iniciativa e capacidade empreendedora da população.

“Trabalhamos constantemente para fortalecer todos os setores da economia, proporcionando o fortalecimento e o crescimento constante. Além de um retorno cada vez maior, que são investidos tanto nos setores econômicos como em saúde, educação, cultura, obras e melhoria dos serviços, beneficiando toda a comunidade”

Setor primário representa 92,45% em Capitão

Com R$ 21.632,88 de PIB per capita, o município de Capitão está em 16º na região, 188º no Estado e em 360 º no PIB geral estadual. Conforme o Fiscal Municipal, Paulo Cezar Rizzi, os números mostram que nos últimos três anos houve um equilíbrio com relação ao percentual de representatividade das atividades econômicas. “Em valores temos destaque no aumento registrado na produção primária, que variou positivamente em 22%, que é a base de nossa economia”, destacou.

Para os próximos anos os administradores vislumbram uma consolidação de alguns setores da produção primária, que é o caso da produção de leite. Os demais setores da agropecuária deverão aumentar em níveis não tão elevados. Para os setores da industria, comércio e serviços, também é projetado um aumento gradual, porém não muito expressivo.

Só em bonificações para a produção rural serão destinados cerca de R$ 500 mil nos próximos meses. Segundo o prefeito Cesar Beneduzi, estes recursos ajudam o agricultor a estruturar a propriedade e os serviços, dependendo menos dos serviços da prefeitura, e ajuda a promover a sucessão familiar e combater o êxodo rural.

Pouso Novo projeta aumento da arrecadação na agricultura

De acordo com os últimos dados do IBGE, o PIB per capita do município de Pouso Novo é de R$ 27.355,00, figurando na 9ª colocação regional. No PIB per capita do Estado ocupa a 102ª posição e no PIB geral a 404ª.

Conforme a secretária da Administração e de Finanças, Márcia Ballico não houve significativas mudanças em relação ao número de estabelecimentos registrados. Quanto ao valor adicionado, nos últimos anos registrou-se um pequeno crescimento anual, no entanto, para o ano base de 2013(dados em fase de apuração), está projetado o valor adicionado de R$ 45 milhões sendo R$ 42 milhões provindo do setor primário. “Acreditamos que este crescimento é o resultado de políticas de apoio e incentivo ao setor”, dimensiona.

Arrecadação da indústria cresce em Travesseiro

O PIB per capita de Travesseiro conforme dados do IBGE é de R$ 21.632,88. O que coloca o município em 15º no PIB per capita da região, 181º no PIB per capita do Estado e 407º no PIB geral, segundo estudos da Fundação de Economia e Estatística, com base nos dados do IBGE.

No que pertine às projeções, às perspectivas e aos desafios para os próximos anos, a Administração identifica um significativo potencial para o crescimento da economia em seu território. Inclusive, diante dessa oportunidade de crescimento, foram aprimorados e criados novos programas de incentivos para as zonas urbana e rural.

Quanto à primeira, foi aprovada, em agosto de 2013, a nova lei municipal que trata do programa de incentivo à indústria, à agroindústria, ao comércio e ao setor de prestação de serviços. Nesse caso, de acordo com o Secretário Municipal de Administração e Finanças, Jorge Kremer, são possíveis de serem alcançados os incentivos de doação de área de terras, de materiais para construção, de aluguel e de serviços de máquinas para preparo de terreno.

Já no que diz respeito à zona rural, em dezembro de 2013 foi aprovada a nova lei municipal que unificou, aperfeiçoou e criou novos programas de incentivo ao setor primário do município. Dentre os incentivos previstos pode-se citar o programa da implantação de benfeitorias para a criação de suínos, bovinos e aves, que tem grande representação econômica para o ente municipal.

Valor adicionado cresce 15% em Marques de Souza

Segundo o IBGE, o PIB per capita de Marques de Souza é de R$ 18131,02, o que coloca o município na 21ª posição regional, 258ª no PIB per capita estadual, e em 320ª no PIB geral.

De acordo com o secretário da Administração e Finanças, Alécio Weizenmann, a estimativa é de que nos próximos anos seguirá um lento crescimento do valor adicionado, com base nos três últimos exercícios. Em 2010 R$ 48.917.302,35. Em 2011 R$ 59.605.802,19 (mais 21,86%). E 2012 R$ 68.618.067,72 (mais 15,11%).

O valor adicionado do setor primário cresceu de 2010 para 2012, em um percentual de 41,12%. A indústria evoluiu, no mesmo período, em 50,37%, enquanto o comércio cresceu em um percentual de 41,83%.

“Existe o desafio de mantermos esse ritmo de crescimento nos diversos segmentos. Isso depende de um contexto global, sobretudo dos planos econômicos dos governos federal e estadual”, destacou.

Por daiane

Situada no bairro Aimoré (Distrito Industrial), com 142 funcionários no encubatório e na fábrica de rações, a BRF Foods lidera o ranking das maiores indústrias do município. Instalada na década 1970, a antiga Copavi, mudou de proprietários diversas vezes, sendo comandada pela Avipal, Grupo Avipal, Eleva e Perdigão