Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 18 de Janeiro de 2021

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Geral

Comunidade elege prioridades de investimentos na terça

, 5 de agosto de 2013 às 9h10

Arroio do Meio – Os eleitores da região têm, na próxima terça e quarta-feira, as chances de votar nas prioridades do Vale do Taquari para o orçamento estadual de 2014. A escolha ocorre pelo programa de Participação Popular e Cidadã (antiga Consulta Popular). Só nos municípios de abrangência d’O Alto Taquari, 25.540 pessoas estão aptas a selecionar as propostas que considerarem mais importantes.

O Conselho de Desenvolvimento do Vale do Taquari (Codevat) disponibilizará cerca de 250 urnas para a consulta deste ano. Arroio do Meio, Capitão, Marques de Souza, Pouso Novo e Travesseiro, juntos, contam com 26 dispositivos distribuídos em diversos locais. Confira na tabela os locais de votação em cada município.

Para votar, é necessário ter 16 anos e portar o documento de identidade ou o título eleitoral. “Pretendemos manter a mesma votação do ano passado, quando ficou em torno de 35 mil eleitores.”

A secretária executiva do Codevat, Cíntia Agostini, reconhece que manter o índice é um desafio – quando do auge das votações, atingiu cerca de 50 mil votantes. A queda se deve à descrença da população quanto ao processo. O governo do Estado demora a empenhar os valores das consultas populares anteriores.

Processo ameaçado

O descumprimento dos pagamentos fez os Conselhos Regionais de Desenvolvimento (Coredes), o Codevat incluído, ameaçarem o processo de Participação Popular e Cidadã para 2014. Em nota, no início do ano, cobravam o pagamento de R$ 287,5 milhões relativos aos processos entre 2011 e 2013.

A manutenção do programa só foi permitida pelos Coredes após o Secretário Estadual de Planejamento, João Motta, se comprometer a pagar R$ 208,9 milhões do total devido às regiões participantes.

Até abril deste ano, a região tinha cerca de R$ 14 milhões em pendências do processo de consulta popular, correspondendo a 23% do valor aprovado. Em 2012, foram apenas 36,23%. “É muito delicado quando a gente faz um chamamento para a comunidade e não consegue ser efetivo no cumprimento dos projetos”, disse Cíntia, na época.

Conforme ela, até agora, foram pagos R$ 3,3 milhões dos valores comprometidos para a região.

Por daiane