Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 09 de Agosto de 2020

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Agricultura

Dois anos de feira

6 de setembro de 2012 às 9h01

No último sábado, 1º de setembro, a Feira do Produtor de Arroio do Meio comemorou o segundo aniversário de funcionamento. Nesses 24 meses os produtores, em especial os que fornecem produtos orgânicos, conquistaram um espaço, formaram uma clientela, criando uma boa relação com o consumidor.

Acho que o maior temor dos expositores já passou, que era a preocupação inicial quanto à capacidade do grupo em disponibilizar bons produtos e em quantidades suficientes para atender a procura, a demanda. Graças à organização dos hortifrutigranjeiros e ao apoio de entidades e órgãos, a expectativa dos clientes está sendo correspondida, em grau de satisfação bastante elevado.

O desafio, daqui para frente, será conseguir uma evolução, no aspecto de frequência das promoções das feiras, que poderão vir a acontecer semanalmente, incluindo, quem sabe, uma maior diversificação de produtos. Neste sentido a concretização do projeto de estruturação das agroindústrias familiares, mediante a adesão ao SUSAF, contribuirá de forma decisiva para a oferta de produtos de origem animal, produzidos dentro de normas de sanidade e de qualidade razoáveis e de aceitação por parte de quem fiscaliza os estabelecimentos.

De longa data se busca agregar valor ao produto da pequena propriedade familiar e está cada vez mais próxima esta oportunidade, desde que haja o empenho, o interesse e a conjugação de esforços. Isso é possível através de projetos bem elaborados e acompanhados, ampliando o programa que se encontra em fase de desenvolvimento.

Certificação de propriedades

Muito interessante a informação veiculada na edição deste jornal, na última semana, relacionada à distribuição ou fornecimento dos Certificados de Propriedades Livres de Brucelose e Tuberculose a um expressivo número de estabelecimentos rurais do município que participam, desde 2009, do programa de erradicação dessas doenças.

Porém…surpreendentemente, os documentos distribuídos aos produtores, senão todos, mas uma grande parcela, estão vencidos há alguns meses, março, abril e maio, o que chega a ser algo ridículo. E houve um esforço muito grande de parte da secretaria de Agricultura em percorrer todas as localidades do município, com veículo público, com dois servidores públicos, durante vários dias, para distribuir um documento, possivelmente sem validade.

Será que imaginavam ou desconfiavam de que os agricultores não leem, não conseguindo, consequentemente, flagrar este detalhe da data de vencimento dos certificados? – São inúmeras as manifestações de desaprovação deste fato, entendido por muitos como um desrespeito e menosprezo à inteligência do agricultor mais humilde. Até imaginei, ao tomar conhecimento do caso, de que tivesse havido uma justificativa ou uma explicação de quem fez a distribuição dos documentos, sobre as datas de validade. No entanto, na maior parte das propriedades não aconteceu sequer menção ao detalhe.

Há de se concordar de que a secretaria de Agricultura não deve apenas enterrar animais e fechar silos. Ela precisa atuar com seriedade e tratar de bem utilizar os recursos públicos, sem vexames, sem escândalos. É um mínimo que se espera.

Exército transporta milho

Comenta-se que os ministérios da Defesa e da Agricultura firmaram um acordo para utilização de caminhões do Exército no transporte de milho desde a região centro oeste até o Rio Grande do Sul e Santa Catarina, a fim de abastecer o consumo, suprindo a falta da matéria-prima nas fábricas de rações. O procedimento tem o objetivo de diminuir o custo do produto, e, consequentemente, o custo de produção, onde o fator transporte ou frete implica em uma alta considerável. As cadeias produtivas do frango e suínos aguardam a normalização na oferta do cereal, assegurando uma pequena margem de ganho nas atividades econômicas.

Por daiane