Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 08 de Dezembro de 2019

O Alto Taquari - Cotidiano

Jornal da Semana
Saúde

Doenças reumáticas: esclarecer, conscientizar e tratar

, 27 de julho de 2012 às 16h33

Com base na campanha de esclarecimento e conscientização sobre as doenças reumáticas recentemente lançada pela Sociedade Brasileira de Reumatologia, conversamos com a fisioterapeuta Marial Black sobre as principais doenças reumáticas, que, segundo a campanha, atingem mais mulheres na faixa etária entre 20 e 60 anos.

Conforme explicação de Marial, as doenças reumáticas incluem um grande número de doenças que têm em comum o comprometimento do sistema músculo-esquelético, ou seja, ossos, cartilagem, articulações, envolvendo os tendões, bursas, ligamentos e os músculos.

Muitas dessas doenças são de evolução crônica e necessitam tratamento prolongado, mas a sua evolução e o prognóstico são muito variáveis entre os pacientes. De acordo com a fisioterapeuta, a crença popular que reumatismo é doença de pessoas idosas está absolutamente errada, pois ele acomete todas as idades, incluindo crianças: “ Além disso as doenças reumáticas acabaram se tornando um problema de saúde pública no Brasil, pois são uma das maiores causas de afastamento temporário do trabalho e de aposentadorias precoces por invalidez.”

Por isso, o diagnóstico e o tratamento precoce são de suma importância para a boa evolução e prognóstico da doença, evitando complicações que podem incapacitar o paciente de forma definitiva.

Lúpus

O lúpus é, conforme Marial, uma doença inflamatória autoimune, que ocorre devido a um desequilíbrio no sistema imunológico, manifestando-se na pele, causando manchas especialmente quando exposta ao sol e lesão avermelhada e descamativa com o formato de asa de borboleta, que surge nas laterais do nariz e que se prolonga no rosto Já, quando ocorre de forma mais generalizada, atinge qualquer tecido do corpo, mais especificamente as articulações e os rins. Neste caso recebe o nome de lúpus eritematoso sistêmico.

Estudos recentes mostram fatores genéticos e ambientais como a exposição ao sol, o uso de certos medicamentos, alguns vírus e bactérias e o hormônio estrógeno, o que pode justificar o fato de a doença acometer mais as mulheres, como os principais fatores de risco. Conforme Marial, as queixas gerais são mal-estar, fadiga, perda de peso e febre. Quanto ao diagnóstico, o mesmo é feito “através do reconhecimento pelo médico de um ou mais dos sintomas. Ao mesmo tempo, como algumas alterações nos exames de sangue e urina são utilizados para a definição final do diagnóstico.”

Osteoporose

Marial define a osteoporose como uma “doença esquelética sistêmica caracterizada pela diminuição da massa óssea e com consequente aumento da fragilidade e chance de fratura óssea. A osteoporose ocorre especialmente na pós menopausa, em mulheres entre 50-60 anos e a perda de massa óssea principalmente na coluna, quadril e punho.”

Segundo ela, a boa alimentação e a prática de atividade física regular são fatores importantes para manter a saúde dos ossos, no entanto, não existe uma receita de prevenção da osteoporose uma vez que os fatores idade e hormonal predispõe a doença nas mulheres.

Artrite reumatoide

O principal local acometido pela artrite reumatoide são as articulações. Ocorre em qualquer idade, de crianças a idosos, porém, com pico de incidência entre 35 e 55 anos. Acomete todas as raças e ambos os sexos com uma distribuição 2,5 vezes maior no sexo feminino, sugerindo uma influência de fatores reprodutivos e hormonais.

Entre os principais sintomas, explica Marial, estão a rigidez articular, dor articular, limitação dos movimentos até causar deformidades nos locais afetados como, por exemplo, os dedos das mãos.

. O tratamento da doença se baseia no alívio da dor e da inflamação da articulação com uso de medicamentos anti-inflamatórios que agem rapidamente para aliviar inflamação e dor. Ainda não há uma maneira de prevenir a artrite reumatoide. No entanto, o diagnóstico precoce e um tratamento adequado são muitas vezes a chave para prevenir as deformidades e o agravamento da dor.

Fibromialgia

A fibromialgia é uma síndrome clínica que se manifesta com queixas de dor praticamente no corpo todo. Junto com a dor, a fibromialgia apresenta sintomas de fadiga (cansaço), sono, sensibilidade ao toque e ao frio, alteração do humor e maior tendência à depressão.

Seu diagnóstico se dá pela presença de pontos dolorosos na musculatura. A dor deve estar presente em 11 pontos de 18 que estão pré-estabelecidos em um mapa do corpo.

A doença pode surgir depois de eventos graves na vida de uma pessoa, como um trauma físico, psicológico ou mesmo uma infecção grave. O mais comum é que o quadro comece com uma dor localizada crônica, que progride para envolver todo o corpo. “O motivo pelo qual algumas pessoas desenvolvem fibromialgia e outras não ainda é desconhecido. Desta forma a prevenção desta doença é quase impossível. Nestes casos, como nas demais doenças reumáticas, descobrir a doença o mais cedo possível poderá ser um fator importantíssimo no sucesso do tratamento”, explica Marial.

Orientações gerais de tratamento e qualidade de vida do paciente reumático:

* Exercícios físicos são importantes devido a sua função de manter o movimento e o fortalecimento muscular que são fundamentais para manter e melhorar a mobilidade

* Exercícios aeróbicos, como caminhadas, ajudam a diminuir a fadiga, melhoram o condicionamento cardiovascular e geram uma sensação de bem-estar. Se forem orientados para sua realização os exercícios em piscina aquecida (hidroterapia) irão melhorar e mobilidade e o relaxamento muscular

* A colocação de órteses (talas) em articulações inflamadas ou com desvios ainda corrigíveis é indicada. Ela auxilia na redução da dor e inflamação e uma melhora do alinhamento dos ossos; especialmente nos casos de artrite

* A perda de peso é importante para reduzir a carga exercida sobre as articulações inflamadas

* O repouso deve ocorrer quando houver crises agudas de dor, porém, assim que a dor aliviar deve-se voltar a realizar as atividades físicas orientadas

* Apoio psicológico quando necessário, especialmente nos casos da fibromialgia e do lúpus faz-se necessário para minimizar as chances de quadro depressivo

* Mudanças de hábitos de vida, como suspensão do tabagismo, alimentação balanceada, técnicas de relaxamento, auxiliam em uma maior adaptação do paciente à doença e ao tratamento, aliviando as dores e o estresse.

Por daiane