Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 07 de Julho de 2020

O Alto Taquari

Jornal da Semana
Educação

Comunidades lutam para manter viva sua história

, 6 de julho de 2012 às 10h49

Lançado no ano passado, o Programa Escola da Terra/Escola Ativa vai aos poucos mostrando a sua cara na educação de Arroio do Meio. O principal objetivo dessa iniciativa é revitalizar as comunidades rurais por meio das escolas. No município são contempladas com o Escola Ativa as escolas rurais e multisseriadas – com mais de uma série na mesma sala, Afonso Celso, Duque de Caxias, Getúlio Vargas e Itororó.

A iniciativa se insere no Pronacampo, programa do governo federal que engloba um conjunto de ações articuladas que asseguram a melhoria do ensino nas redes existentes. Um programa mais amplo que busca o fortalecimento das escolas rurais, além da preocupação com aspectos pedagógicos e melhorias nas escolas. “É uma política de valorização das escolas do meio rural”, ressalta a coordenadora pedagógica da secretaria de Educação, Marlise Führ. Para a implantação desse projeto no município foi realizado um amplo trabalho de capacitação dos professores, que tiveram um total de 240 horas/aula, envolvendo atividades práticas, voltadas para a comunidade em questão e teóricas.

Hoje, as quatro escolas atendem um total de 121 alunos, sendo 22 na Afonso Celso, 36 na Itororó, 18 na Getúlio Vargas e 45 na Duque de Caxias. Marlise explica que os recursos adquiridos do overno federal são utilizados em melhorias na escola e na aquisição de computadores para a instalação de laboratórios de informática. “É uma proposta voltada para a educação no campo, abrangendo as¬pectos pedagógicos, melhorias na infraestrutura, além da formação continuada dos professores”.

Para avaliar o andamento dos projetos em cada um dos educandários beneficiados, ocorrem mensalmente na secretaria de Educação reuniões com a presença das diretoras, onde são expostas as ações realizadas no último mês, além de se fazer um planejamento das ações futuras. “A partir dessas reuniões, as diretoras trocam experiências além da descoberta de novas formas de trabalho que possam envolver o apoio da comunidade”, salienta a secretária de Educação, Eluise Hammes.

Outra questão que chama a atenção da equipe da secretaria de Educação está voltada à mobilização dos moradores de cada localidade neste projeto. “A própria comunidade busca preservar a sua história, a sua identidade e, para isso, não mede esforços em fazer com que as escolas se mantenham ativas. Pais e comunidade buscam estar sempre envolvidos nas ações propostas pelos educandários”, frisa Eluise. Umas das ações destacadas está acontecendo na escola Duque de Caxias, de Arroio Grande Central, onde foi feito um museu com objetos antigos, adquiridos por meio da contribuição da comunidade. O espaço estará aberto neste domingo para visitação, das 9h às 11h.

Monografia da comunidade

Já que no momento o objetivo é conhecer um pouco mais sobre os aspectos da comunidade no qual está inserido, cada educandário ficará responsável por fazer a monografia da comunidade. A monografia é um texto que faz a descrição detalhada da comunidade envolvendo vários aspectos: históricos, geográficos, culturais, ocupacional, doméstico, organizacional e de saúde. É um instrumento da Escola Ativa que favorece o conhecimento de todos os aspectos da comunidade onde os alunos estão inseridos.

Este trabalho permite conhecer, transmitir, recuperar e valorizar a vida cultural de cada comunidade. “Certamente este será o principal desafio das escolas neste ano. O melhor de tudo é que se percebe que o projeto já ultrapassou os muros da escola e conta com o total apoio da comunidade, pois essa sim tem muita vontade de querer ajudar”, finaliza Eluise.

Por daiane