Jornal O Alto Taquari  .  Arroio do Meio, 02 de Abril de 2020

O Alto Taquari - Cotidiano

Jornal da Semana
Social

Expedição Manku Qhapaq: chegou a hora da partida

, 20 de abril de 2012 às 17h17

Depois de mais de dois anos de preparativos chegou a tão esperada hora. Nesta sexta-feira às 15h, Gilmar Sbruzzi e Felipe Trasel deram início a mais uma aventura sobre duas rodas. Dessa vez rumo a Machu Picchu, no Peru. A Expedição Manku Qhapaq vai passar por cinco países e tem seu término previsto para o dia 10 de maio quando Gilmar e Felipe devem chegar em Arroio do Meio.

De acordo com os aventureiros está tudo pronto, esperando a saída. “A expectativa está enorme, foram mais de dois anos de preparação e es¬pera, estamos muito ansiosos, está difícil de fazer qualquer coisa sem que o assunto chegue na cabeça”, afirmam.

Nesta edição o AT divulga a última parte dos preparativos. Durante a viagem os aventureiros vão mandar, sempre que possível, notícias e fotos que poderão ser acompanhadas no site do AT – www.oaltotaquari.com.br.

Acompanhe o relato de Gilmar e Felipe:

“Nome da expedição: por se tratar de uma grande aventura, decidimos dar um nome que envolvesse algo da cultura inca, a escolha foi Manku Qhapaq (em quéchua), primeiro imperador inca. Existem várias lendas sobre Manku Qhapaq, uma delas diz que ele é tido como filho de Inty, o deus do Sol e irmão de Pachacamac. Ele e seus irmãos foram enviados pelo deus Sol e emergiram neste mundo nas cavernas de Pacaritambo trazendo um povo dourado chamado de tapac-yauri. Ele teria sido instruído a construir um templo para o deus Sol no lugar onde emergiram da terra mas o lugar não era apropriado e então eles viajaram por túneis subterrâneos até Cusco onde ergueram um templo em honra ao pai deles, Inti, o deus Sol.

Período: a saída está programada para o dia 20/04/12 com volta prevista para o dia 10/05/12.

Roteiro e programação: a elaboração do roteiro foi feita a partir de mapas impressos, pesquisas na internet e conversas com pessoas que já haviam feito a viagem. A preferência é por estradas asfaltadas. Durante quase dois anos, foram discutidos vários roteiros e pontos turísticos a serem visitados, conversando com outras pessoas que já conhecem o trajeto. Foi possível elaborar um plano de viagem satisfatório. Abaixo a programação que tentaremos seguir:

Progamação diária Expedição Manku Qhapaq

Dia Data Local Distância

Sexta-feira 20/04/12 Arroio do Meio – São Borja 547

Sábado 21/04/12 São Borja – Joaquin V. Gonzalez 1038

Domingo 22/04/12 Joaquin V. Gonzalez – Susques 524

Segunda-feira 23/04/12 Susques – San Pedro de Atacama 272

Terça-feira 24/04/12 Turismo em San Pedro de Atacama –

Quarta-feira 25/04/12 San Pedro de Atacama – Arica 697

Quinta-feira 26/04/12 Arica – Puno 466

Sexta-feira 27/04/12 Turismo em Puno –

Sábado 28/04/12 Puno – Ollantaytambo 442

Domingo 29/04/12 Visita ao Vale Sagrado em Ollantaytambo –

Segunda-feira 30/04/12 Visita à Machu Picchu –

Terça-feira 01/05/12 Ollantaytambo – Cusco e Visita à Cusco no dia 110

Quarta-feira 02/05/12 Cusco – Chalhuanca 300

Quinta-feira 03/05/12 Chalhuanca – Nasca 350

Sexta-feira 04/05/12 Visita à Nasca até meio-dia –

Sexta-feira 04/05/12 Nasca – Camaná 390

Sábado 05/05/12 Camaná – Iquique 819

Domingo 06/05/12 Iquique – San Pedro de Atacama 734

Segunda-feira 07/05/12 San Pedro de Atacama – La Banda 1020

Terça-feira 08/05/12 La Banda – Gualeguaychu 991

Quarta-feira 09/05/12 Gualecuaychu – Chuí 708

Quinta-feira 10/05/12 Chuí – Arroio do Meio 643

A viagem será feita por cinco países (Brasil, Argentina, Chile, Peru e Uruguai), totalizando mais de 10 mil quilômetros em 21 dias de viagem. A distância diária a percorrer varia de 250 até mais de mil quilômetros, dependendo do trajeto. Toda a programação pode sofrer interferências por problemas técnicos ou climáticos.

Documentação: para realizar essa viagem são necessários vários documentos, dentre eles: carteira de identidade atualizada, vacina contra febre amarela, carta verde, carteira internacional de habilitação. O passaporte não é obrigatório para nenhum dos países em que passaremos, mas a posse dele ajuda a encurtar o tempo de trâmites alfandegários para entrar e sair dos países.

Clima: a escolha por viajar no outono foi pelo motivo de a época das chuvas no Peru estar em baixa. Pelo país estar situado na Floresta Amazônica, o clima no verão é muito imprevisível. Pode chover a qualquer momento e impossibilitar a entrada em Machu Picchu. O clima é mais rigoroso em altas altitudes, como, por exemplo, o Paso Jama (divisa entre Argentina e Chile), situado próximo ao Deserto de Atacama e a uma altitude de 4.800 metros, é bem provável que possamos pegar neve e muito frio, além de muito calor. A região norte do Chile é desértica, fazendo calor acima dos 40ºC facilmente. Já no Peru, pegaremos novamente trechos perto dos 5.000 metros de altitude, a estrada de Moquegua a Puno, onde neva com facilidade e o frio é extremo. Outro trajeto também no Peru é a estrada de Cusco a Nazca, chegando 4.800 metros de altitude também, com neve e frio. Até que estejamos aclimatizados com a altitude, poderemos sofrer de “soroche”, ou o conhecido mal da altitude, os sintomas são de muita dor de cabeça e náuseas, devido ao ar rarefeito. Para minimizar os efeitos é recomendado tomar chá de coca ou mascar a folha de coca.

Roupas e bagagem: é preciso estar preparado para calor extremo e frio extremo, a região andina possui um clima muito rígido. As roupas utilizadas durante o trajeto são de cordura, um material impermeável e resistente à abrasão, além de ter forro térmico para ajudar com o frio. Além disso é necessário levar uma segunda pele, específica para baixas temperaturas. As demais roupas variam de acordo com cada um. Toda a bagagem é guardada em malas especiais para viagem de moto e bauletos laterais de alumínio, específicos também para motos.

Motos: as motos utilizadas para a viagem serão uma Hornet 600 cilindradas (Felipe) da Honda, e uma Vstrom 650 cilindradas (Gilmar) da Suzuki. São motos de estilos diferentes, a Hornet é uma moto da família das Naked e a Vstrom das Big Trail. É necessário fazer uma revisão completa antes da partida, sair com pneus novos, aliás, serão mais de 10.000 quilômetros. Também é importante levar as ferramentas adequadas para a troca de óleo no trajeto, que será efetuado pelos próprios motociclistas, além de kits de reparo para pneu. Ambas as motos fazem uma média que pode variar de 15 a 23 quilômetros por litro de gasolina, será necessário levar um recipiente reserva de combustível, pois em alguns trechos não há postos de gasolina.

Gastos: o orçamento da viagem pode variar muito de acordo com o tipo de hospedagem, refeições, imprevistos. Não damos preferência para luxo na viagem, o mais importante é ter um local adequado para guardar as motos. Gasta-se em média 100 dólares por dia, incluindo gasolina, hospedagem e alimentação. Acreditamos que ao fim da viagem o gasto total será entre R$ 3.500,00 a R$ 4.000,00.

Hotéis: durante a programação é feita uma lista de possíveis hotéis em que poderemos ficar. As pesquisas são feitas na internet, os preços variam de acordo com os serviços oferecidos, localização e público alvo. As tarifas variam de 20 dólares a diária com quarto duplo, até 400 dólares. Temos somente um hotel reservado, situado na cidade de Ollantaytambo no Peru, pois lá ficaremos três dias e por ser uma cidade muito procurada, decidimos reservar antes da saída. Nos demais lugares que passaremos, o hotel será escolhido no dia da chegada, de acordo com as listas feitas.

Turismo: o objetivo principal da expedição é a visita à cidade de Machu Picchu, porém, outros pontos turísticos fazem parte da aventura, abaixo mais alguns:

• Argentina: Camino De La Cornisa – Salta, Travessia Paso Jama

• Chile: Deserto de Atacama, Geisers Del Tatio – San Pedro de Atacama, Vale Luna – San Pedro Atacama, Mao do Deserto – Antofagasta

• Peru: Ilha Uros Lago Titicaca – Puno, Ilha Taquile Lago Titicaca – Puno, Vale Sagrado – Ollantaytambo, Machu Picchu, cidade de Cusco, Linhas de Nazca – Nazca

• Uruguai: cidade De Montevideu, cidade de Punta Del Este”

Por daiane